sicnot

Perfil

Mundo

Trump diz que relatório afasta "conluio ou obstrução" ao inquérito russo

ANDREW HARRER / POOL

O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou este sábado que o polémico relatório republicano publicado esta sexta-feira demonstra que "não houve conluio nem obstrução" à investigação judicial sobre a alegada interferência russa nas eleições para a Casa Branca.

"Este memorando inocenta totalmente Trump no inquérito. Mas a caça às bruxas russa continua", afirmou este sábado o Presidente dos EUA, numa mensagem publicada na rede Twitter, em que fala de si próprio na terceira pessoa.

Trump acrescenta que "não houve conluio nem obstrução (a palavra que é agora usada, após um ano a procurar continuamente sem encontrarem NADA, conluio morreu)".

"Isto é uma vergonha americana", lamenta o Presidente norte-americano, que está a passar o fim de semana no seu clube de golfe em Palm Beach (Florida).

O relatório em questão - que o Presidente desclassificou esta sexta-feira, contrariando as advertências do FBI (polícia federal) e do Departamento de Justiça norte-americano - foi preparado pelos republicanos da Comissão de Serviços Secretos da Câmara dos Representantes, presidida pelo republicano luso-descendente Devin Nunes.

FBI e Justiça investigam as alegadas ligações e conluio entre o Governo russo e elementos de topo da campanha de Trump.

O documento baseou-se em informação classificada (secreta) e alega que o FBI (agência federal) abusou dos seus poderes de vigilância no decorrer da investigação à alegada interferência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016.

Ao permitir a publicação deste documento, parcial e tendencioso, de acordo com especialistas independentes, Trump causou a indignação da oposição democrática, que ameaçava com o espectro de uma crise constitucional.

A líder democrata da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, pediu mesmo ao presidente daquele órgão legislativo, o republicano Paul Ryan, que afastasse Devin Nunes, um aliado de Trump, da presidência da Comissão de Serviços Secretos, devido às presumíveis modificações do documento.

Segundo vários meios de comunicação, o relatório secreto alega que o ex-espião britânico que escreveu um famoso dossiê cheio de pormenores sórdidos sobre Trump, Christopher Steele, deu informações erradas ao FBI.

Com base nessa informação, na primavera de 2017, o FBI decidiu aumentar as suas atividades de vigilância sobre Carter Page, que até setembro de 2016 assessorou a equipa da campanha presidencial de Trump em matéria de política externa, por suspeitar de que era um agente russo.

Rod Rosenstein, o "número dois" do Departamento de Justiça norte-americano, que tinha autoridade sobre a investigação da polícia federal acerca da ingerência russa nas presidenciais dos Estados Unidos, pediu então a um juiz para fazer essa espionagem.

O memorando republicano acusa Rosenstein e o FBI, de acordo com a imprensa, de não terem informado corretamente o juiz que autorizou a operação de vigilância sobre os motivos para pedi-la.

A oposição democrata teme que o Presidente use o relatório como uma desculpa para demitir Rosenstein e, posteriormente, o próprio procurador do ministério público que está a investigar o caso da conspiração russa, Robert Mueller.

Lusa

  • Faltam 71 obstetras no SNS e as férias vão agravar a situação
    2:32

    País

    Faltam 71 obstetras no Serviço Nacional de Saúde pelas contas da Ordem dos Médicos. Com o verão e as férias à porta, a Ordem alerta para a eventualidade de, nalgumas regiões, ser preciso transferir os partos mais complicados para unidades onde houver especialistas.

  • Combate ao terrorismo e corrupção são prioridades do novo diretor da PJ
    2:42

    País

    O novo diretor da Polícia Judiciária diz que o combate ao terrorismo e à corrupção estão entre as maiores prioridades para a PJ. Mas alerta que são precisos meios para cumprir essa missão. Luís Neves tomou posse esta manhã, depois de 20 anos ligados à investigação do crime mais violento.

  • Uma viagem pela Estrada Nacional 236
    2:52
  • A reconstrução depois da tragédia de Pedrógão
    2:43
  • Três mortos e mais de 200 feridos do sismo no Japão
    1:07

    Mundo

    Pelo menos três pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas na sequência de um sismo de magnitude 6,1 na escala de Richter que atingiu hoje a região oeste do Japão, segundo um novo balanço das autoridades nipónicas. Uma das vítimas mortais era uma criança de 9 anos.