sicnot

Perfil

Mundo

Comissão Europeia contra ideia "estúpida" de enfraquecer política de coesão e PAC

Presidente da Comissão Europeia.

Vincent Kessler

A Comissão Europeia opõe-se à vontade "estúpida" de alguns de "atentar" contra as políticas de coesão e política agrícola comum (PAC) no quadro das negociações sobre o orçamento plurianual da União Europeia, disse hoje Jean-Claude Juncker.

Num debate no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, sobre o futuro da Europa, o presidente do executivo comunitário abordou a questão do quadro financeiro da União pós-2020 para defender que a Europa deve dotar-se de um orçamento à medida das "ambições e objetivos que proclama", rejeitando cortes drásticos em áreas fundamentais:

"Será preciso reduzir os números da política de coesão e da PAC, mas eu sou contra esta vontade estúpida, passageira e irrefletida que consiste em organizar um atentado contra as políticas de coesão e agrícola comum. Isso não vai funcionar e a Comissão não irá seguir essa via"

Apontando que não defende aumentos sem limites no orçamento da União e reconhecendo que é necessário proceder a poupanças inteligentes - até porque a União perderá um dos seus maiores contribuintes, o Reino Unido , Juncker defendeu, todavia, que é necessário que, "ao longo dos próximos 11 meses, se chegue a acordo sobre os objetivos da UE" antes de se abordar os números.

Presidente da Comissão Europeia, no debate Parlamento Europeu, em Estrasburgo sobre o futuro da Europa.

Presidente da Comissão Europeia, no debate Parlamento Europeu, em Estrasburgo sobre o futuro da Europa.

Vincent Kessler

Para o presidente da Comissão Europeia, é preciso que se discuta:

"primeiro o conteúdo e depois os números, não o inverso"."Uns dizem que não querem pagar mais, outros dizem que não querem receber menos. É uma equação que não funcionará. Será necessário fazer poupanças em várias áreas, mas poupanças que façam sentido"

Disse, reforçando que, nos domínicos da política de coesão e da PAC, "onde puderem ser feitas poupanças inteligentes, a Comissão apresentará propostas nesse sentido".

Juncker intervinha num debate sobre o futuro da Europa com a participação do primeiro-ministro da Croácia, Andrej Plenkovic, o segundo de um ciclo de debates no Parlamento Europeu com chefes de Estado e de Governo da UE, iniciado em janeiro com o chefe de Governo irlandês, Leo Varadkar, e que prosseguirá em 14 de março com a presença em Estrasburgo do primeiro-ministro português, António Costa.

António Costa em Bruxelas.

António Costa em Bruxelas.

Francois Lenoir

Na semana passada, por ocasião de uma deslocação a Bruxelas, Costa voltou a fazer a defesa da política de coesão, defendendo que esta "é a política europeia que mais tem contribuído para a unidade na diversidade europeia" e "grande parte do sucesso da União Europeia deve-se à sua política de coesão".

Considerando-a "uma marca identitária da União Europeia, cujos objetivos permanecem hoje tão centrais como quando foi criada", António Costa defendeu que "a coesão não pode nem deve ser a variável de ajustamento do próximo Quadro Financeiro Plurianual", mas sim "dispor de uma maior flexibilidade na sua definição e implementação, combinando a sua abordagem territorializada com um maior enfoque nos seus principais beneficiários: as pessoas".

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.