Mundo

Holanda proíbe zonas para fumadores em cafés e bares

(Arquivo)

Michael Kooren

A justiça holandesa ordenou esta terça-feira que sejam fechadas as salas especiais para fumadores que cafés e bares abriram quando foi introduzida a proibição de fumar no interior dos espaços pois contradiz os acordos feitos com a Organização Mundial de Saúde.

O caso contra o Estado holandês foi apresentado pela organização Clean Air Nederland (Ar Limpo na Holanda), argumentando que ao permitir-se a existência de zonas especiais para fumadores estava-se a ir contra os termos do acordo assinado com a Organização Mundial de Saúde.

No acordo, a Holanda comprometeu-se a tomar medidas pra evitar que os clientes estivessem expostos ao fumo dos cigarros em "lugares públicos fechados".

Um tribunal de Haia deu razão a esta organização e considerou que esse compromisso também se estende às salas para fumadores que estão disponíveis nos cafés e bares.

A justiça explicou que as pessoas que não fumam podiam sentir a pressão social de se juntarem aos fumadores nas áreas destinadas a estes e estarem expostos ao fumo.

Por esse facto, acrescentou que na prática é inevitável que o fumo circule no resto do café e que os empregados que têm de atender e limpar a zona fiquem igualmente expostos ao tabaco.

"É importante ter em conta que fumar é um vício grave e não um estilo de vida. No momento em que alguém vê outro fumar, essa ação pode provocar o outro a fazer o mesmo", disse hoje Ton Voeten, da Clean Air Nederland, em declarações à rádio holandesa NPO.

Lusa

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34