Mundo

Pelo menos 38 jihadistas mortos e 526 detidos em operação antiterrorista no Egipto

Pelo menos 38 jihadistas morreram no norte e no centro do Sinai egípcio e 526 foram detidos em quatro dias de uma vasta operação antiterrorista, de acordo com um comunicado do exército divulgado esta terça-feira.

O exército lançou na sexta-feira passada uma campanha para "limpar"o Sinai (nordeste), o Delta do Nilo e a fronteira ocidental do deserto da Líbia.

Depois da destituição do Presidente islâmico Mohamed Morsi do exército, em 2013, as forças de segurança têm lutado contra grupos extremistas, incluindo a organização do Daesh, que fez centenas de mortos entre soldados, polícias e civis na zona.

Um raid e uma troca de tiros em Al-Arih, capital do Sinai do Norte, resultaram "na eliminação de uma célula terrorista muito perigosa composta por 10 extremistas", anunciou hoje o porta-voz das Forças Armadas, Tamer el-Refai.

Com este anúncio, o balanço dos jihadistas mortos eleva-se para 38 desde o início desta campanha, chamada de "Sinai2018".

No total, foram também detidas 526 pessoas, das quais 400 só na segunda-feira, de acordo com comunicados pulicados pelo exército desde o início da operação.

No final de novembro, o Presidente, Abdel Fattah al-Sissi, o único candidato à eleição de 26 de março, deu três meses ao seu chefe do Estado Maior para restabelecer a segurança e a estabilidade no Sinai.

Lusa

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34