Mundo

PR das Filipinas oferece 500 dólares a quem matar um rebelde comunista

Bullit Marquez / AP

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ofereceu recompensas de quase 500 dólares, a quem matar um rebelde comunista do Novo Exército do Povo (NEP), informaram hoje fontes oficiais.

"Se matar um (membro do) NEP hoje, pagarei 25 mil pesos (487 dólares ou 391 euros)", disse Duterte, de acordo com a transcrição oficial de um discurso pronunciado em Cebu, no centro do país, na quarta-feira.

"Se consegue atirar e acertar num pássaro que está a voar acima si, como não pode acertar num NEP que tem uma cabeça maior?", disse Duterte, arrancando o riso da audiência, e sem dar mais detalhes sobre a oferta.

O Novo Exército do Povo é uma guerrilha ativa que está nas listas de grupos terroristas das Filipinas, dos Estados Unidos e da União Europeia.

O Presidente estava a responder ao líder do Partido Comunista das Filipinas, José María Sison, em exílio na Holanda, que disse na semana passada que o NEP é capaz de matar um soldado por dia.

Duterte argumentou que pagar 25 mil pesos a qualquer um que mate um terrorista seria mais barato para o estado do que financiar uma guerra contra esta organização comunista, que tem uma grande presença nas áreas rurais do país, onde muitas vezes realiza extorsões e ataques.

Os críticos do chefe de estado das Filipinas protestaram pelas suas declarações, considerando que incita a homicídios extrajudiciais como os alegadamente cometidos na sua controversa "guerra contra as drogas", de que já terão resultado 7.000 mortos, de acordo com algumas estimativas.

É a segunda vez em poucos dias que Duterte é objeto de controvérsia pelas suas declarações relacionadas com a NEP, já que, no domingo, pediu aos soldados que atirem nos órgãos genitais mulheres integrantes do grupo, o que lhe valeu a condenação organizações locais e internacionais.

Lusa

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC