sicnot

Perfil

Mundo

Uma em seis crianças vive em zonas de guerra

Ghouta Oriental, Síria, após mais um bombardeamento, 6 de janeiro de 2018.

Bassam Khabieh / Reuters

Perto de 360 milhões de crianças em todo o mundo, ou seja, uma em seis, vivem em zonas afetadas por conflitos, indica um relatório da organização Save the Children divulgado hoje.

O relatório, baseado em dados do Instituto Internacional para a Investigação da Paz de Estocolmo, analisa fatores como ataques contra escolas, o recrutamento de crianças soldados, violações, assassínios e falta de acesso humanitário.

Estas conclusões são divulgadas na véspera da Conferência de Segurança de Munique, no âmbito da qual líderes globais vão discutir políticas de segurança.

Seis nações africanas entre as 10 piores para ser criança em zona de guerra

Seis nações africanas estão entre as 10 piores do mundo para se ser uma criança numa zona de guerra, segundo o relatório.

A Síria encima a lista, seguida do Afeganistão, Somália, Iémen, Nigéria, Sudão do Sul, Iraque, República Democrática do Congo, Sudão e República Centro Africana.

"É preciso uma ação concertada e coletiva para pôr um fim a esta brutalidade"

A Save the Children apela aos dirigentes mundiais para fazerem mais no sentido de responsabilizar os autores dos crimes contra as crianças.

"Crimes como estes contra crianças são o pior tipo de abuso imaginável e são uma violação flagrante do direito internacional", disse Carolyn Miles, presidente da Save the Children.

1 / 10

Baz Ratner

Em 9.º lugar, o Sudão. Vários milhares de pessoas morreram devido a conflitos entre o Governo e forças rebeldes, e mais de um milhão foi obrigada a fugir das suas casas. Nesta fotografia, um militar da ONU protege várias crianças durante uma patrulha.
2 / 10

Em 9.º lugar, o Sudão. Vários milhares de pessoas morreram devido a conflitos entre o Governo e forças rebeldes, e mais de um milhão foi obrigada a fugir das suas casas. Nesta fotografia, um militar da ONU protege várias crianças durante uma patrulha.

Siegfried Modola

Em 8.º, a República Democrática do Congo. Acredita-se que existam atualmente cerca de 70 milícias que aterrorizam as comunidades da zona. Nesta fotografia, um soldado congolês e a mulher brincam com a filha à porta de casa.
3 / 10

Em 8.º, a República Democrática do Congo. Acredita-se que existam atualmente cerca de 70 milícias que aterrorizam as comunidades da zona. Nesta fotografia, um soldado congolês e a mulher brincam com a filha à porta de casa.

POOL New

Em 7.º lugar está o Iraque. A violência armada no Iraque não é recente, mas desde 2015 que a guerra contra o Daesh se intensificou. Nesta fotografia de 2005, um militante iraquiano luta contra forças da Al-Qaeda.
4 / 10

Em 7.º lugar está o Iraque. A violência armada no Iraque não é recente, mas desde 2015 que a guerra contra o Daesh se intensificou. Nesta fotografia de 2005, um militante iraquiano luta contra forças da Al-Qaeda.

STRINGER Iraq

Em 6.º lugar, Sudão do Sul. Estima-se que a guerra civil tenha matado milhares de pessoas e obrigado outras tantas a fugir. Nesta fotografia, crianças refugiadas num campo no Sudão do Sul brincam com armas feitas de canas.
5 / 10

Em 6.º lugar, Sudão do Sul. Estima-se que a guerra civil tenha matado milhares de pessoas e obrigado outras tantas a fugir. Nesta fotografia, crianças refugiadas num campo no Sudão do Sul brincam com armas feitas de canas.

Michelle Nichols

Em 5.º está a Nigéria. Desde 2014 que o Boko Haram aterroriza a população da Nigéria. Nesta fotografia, um grupo de crianças é resgatado do grupo islâmico.
6 / 10

Em 5.º está a Nigéria. Desde 2014 que o Boko Haram aterroriza a população da Nigéria. Nesta fotografia, um grupo de crianças é resgatado do grupo islâmico.

Afolabi Sotunde

Em 4.º, o Iémen. Em 2017, a contagem de mortes provocadas pela guerra civil no Iémen ultrapassava os cinco mil. Nesta fotografia, uma criança participa no movimento Houthi.
7 / 10

Em 4.º, o Iémen. Em 2017, a contagem de mortes provocadas pela guerra civil no Iémen ultrapassava os cinco mil. Nesta fotografia, uma criança participa no movimento Houthi.

Khaled Abdullah

A Somália ocupa o 3.º lugar da lista da Save The Children. Há 20 anos que o país está em guerra. Nesta fotografia, duas crianças fogem de uma zona onde explodiram várias bombas.
8 / 10

A Somália ocupa o 3.º lugar da lista da Save The Children. Há 20 anos que o país está em guerra. Nesta fotografia, duas crianças fogem de uma zona onde explodiram várias bombas.

Feisal Omar

Em 2.º, Afeganistão. Há 17 anos que os Talibã são responsáveis por milhares de mortos no país. Nesta fotografia, uma criança é carregada após ter sido ferida num atentado suicida em Cabul.
9 / 10

Em 2.º, Afeganistão. Há 17 anos que os Talibã são responsáveis por milhares de mortos no país. Nesta fotografia, uma criança é carregada após ter sido ferida num atentado suicida em Cabul.

Mohammad Ismail

Em 1.º lugar está a Síria. Este retrato de Omran Daqneesh viajou pelo mundo e fez manchetes na comunicação social. Omran, com apenas apenas 5 anos, foi vítima de um dos ataques aéreos de Bashar al-Assad. Uma imagem que representa o horror que milhares de inocentes vivem diariamente num país em incessante guerra.
10 / 10

Em 1.º lugar está a Síria. Este retrato de Omran Daqneesh viajou pelo mundo e fez manchetes na comunicação social. Omran, com apenas apenas 5 anos, foi vítima de um dos ataques aéreos de Bashar al-Assad. Uma imagem que representa o horror que milhares de inocentes vivem diariamente num país em incessante guerra.

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Exército sírio declara Damasco "totalmente segura"

    Mundo

    O exército sírio proclamou esta segunda-feira a capital Damasco e também os arredores, como locais "totalmente seguros". O anúncio foi feito em clima de festa, depois de os militares terem reconquistado os bairros do sul da cidade, até agora nas mãos do Daesh.