sicnot

Perfil

Mundo

Turquia assegura que forças pró-Damasco já saíram do enclave curdo de Afrine

Khalil Ashawi

As forças pró-regime sírio que entraram esta terça-feira no enclave curdo de Afrine, noroeste da Síria, começaram manobras de retirada depois de terem sido confrontadas com fogo de artilharia turco, assegurou o Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

"Chegaram numa dúzia de camiões para avançar sobre Afrine. Mas, depois de um bombardeamento com fogo de artilharia, deram a volta e foram embora. O assunto está fechado", disse o chefe de Estado turco, numa conferência de imprensa em Ancara transmitida em direto pelo canal local NTV.

Desde dia 20 de janeiro, a Turquia e fações opositoras sírias pró-Ancara levam a cabo uma ofensiva terrestre e aérea em Afrine (província síria de Alepo), zona controlada pela principal milícia curda na Síria, as Unidades de Proteção Popular (YPG).

Ancara acusa o YPG de ser o ramo sírio do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que é considerado uma organização terrorista pela Turquia, e deseja expulsar a milícia curda desta região.

Erdogan repetiu uma informação que tinha sido avançada pouco antes pela agência noticiosa semipública turca Anadolu.

A agência noticiou a retirada dos combatentes pró-regime de Damasco por causa de um "bombardeamento de advertência" da artilharia turca, quando faltavam cerca de 10 quilómetros para alcançar a cidade de Afrine.

A entrada das tropas aliadas do regime sírio de Bashar al-Assad em Afrine foi esta terça-feira confirmada por várias fontes, desde o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) à própria milícia YPG, que domina o enclave curdo.

"Ontem falei com (o Presidente russo, Vladimir) Putin e (o Presidente iraniano, Hassan) Rohani, e temos acordos sobre isto. Mas, infelizmente, há quem dê passos errados nas decisões sobre este tipo de organizações terroristas e isso não pode ser permitido", concluiu Erdogan.

A Turquia advertiu Damasco na segunda-feira, através do ministro dos Negócios Estrangeiros (Mevlut Cavusoglu), face uma eventual intervenção das forças pró-governamentais para apoiar o YPG, afirmando que tal ação não iria impedir Ancara de prosseguir com a ofensiva em Afrine.

Em 2012, após a retirada das forças pró-regime sírio, Afrine tornou-se na primeira zona curda na Síria livre do controlo do poder central.

Desencadeado em março de 2011 pela violenta repressão do regime de Bashar al-Assad de manifestações pacíficas, o conflito na Síria ganhou ao longo dos anos uma enorme complexidade, com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos 'jihadistas'.

Num território bastante fragmentado, o conflito civil na Síria provocou, desde 2011, mais de 350.000 mortos, incluindo mais de 100 mil civis, e milhões de deslocados e refugiados.

Lusa

  • Desespero e euforia marcaram o 8.º dia de Mundial
    0:50
  • Comprava uma bola de futebol com 9 mil cristais Swarovski?
    2:51
  • Lisboa vence prémio Capital Europeia Verde de 2020

    País

    A cidade de Lisboa venceu o prémio de Capital Europeia Verde de 2020, anunciou o comissário da União Europeia para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella, numa cerimónia que decorreu em Nijmegen, na Holanda.

  • Trump culpa democratas pela separação de pais e filhos
    0:22