sicnot

Perfil

Mundo

Angela Merkel confirma quatro rostos novos no Governo

PHILIPP GUELLAND

A chanceler alemã confirmou este domingo que incluirá no próximo governo quatro rostos novos, entre os quais um dos seus rivais internos na União Democrata Cristã (CDU), Jens Spahn, da ala mais à direita e crítico da sua liderança.

Angela Merkel anunciou este domingo a lista dos escolhidos para integrarem o próximo governo da Alemanha, após uma reunião da direção da CDU e esperando que na segunda-feira os delegados do partido aprovem o pacto de governo no congresso, que decorrerá em Berlim.

A notícia de que Merkel iria incluir no governo quatro rostos novos, incluindo Jens Spahn, tinha sido avançada pelo jornal alemão Bild.

O diário referia que Spahn assumirá o Ministério da Saúde, um dos seis que o partido de Merkel terá a seu cargo no governo de coligação com o Partido Social-Democrata (SPD).

Isso mesmo foi confirmado pela chanceler alemã.

Os ministros da CDU que se mantêm no próximo governo são a titular da pasta da Defesa, Ursula von der Leyen, e o até agora ministro dos Negócios Estrangeiros, Peter Altmaier, homem de confiança de Merkel, que assumirá a pasta da Economia.

Os outros três rostos novos designados pela CDU para o governo, além de Spahn, serão a vice-presidente do partido, Julia Klöckner, que fica com a pasta da Agricultura, Helge Braun, no Ministério dos Negócios Estrangeiros, e Anja Karliczek, na Educação e Investigação.

Chegar a esta composição "nao foi fácil", admitiu a chefe do partido e chanceler alemã, que mencionou as "dolorosas renúncias" de antigos colaboradores, entre os quais o titular da pasta do Interior, Thomas Maizière.

Na segunda-feira realiza-se um congresso extraordinário da CDU, no qual os delegados votarão o pacto de governo alcançado com o SPD.

Lusa

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.