sicnot

Perfil

Mundo

Museu do Holocausto retira prémio a Aung San Suu Kyi

Adnan Abidi

O Museu do Holocausto de Washington retirou esta quarta-feira um prémio atribuído à líder de Myanmar, Aung San Suu Kyi, alegando passividade face à crise dos Rohingyas.

Perto de 690 mil muçulmanos Rohingyas que viviam na região oeste de Myanmar refugiaram-se no Bangladesh, desde o final de agosto de 2017, para fugir de uma operação do exército, descrita pelas Nações Unidas como uma campanha de "limpeza étnica".

"Esperávamos que tu [Aung San Suu Kyi] fizesses algo de forma a condenar e travar a brutal campanha militar, de forma a expressares a tua solidariedade com o povo de Rohingya", disse, em comunicado, o museu.

De acordo com a entidade a Liga Nacional para a Democracia, liderada por Suu Kyi, recusou-se a cooperar com as Nações Unidas e propagou uma "retórica de ódio" contra a comunidade de Rohingya.

Aung San Suu Kyi foi distinguido, pelo Museu do Holocausto de Washington, com o prémio "Elie Wiesel", pela luta pela liberdade do povo de Myanmar.

Lusa

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.