sicnot

Perfil

Mundo

Oklahoma quer passar a executar condenados à morte com gás de nitrogénio

Dirigentes estaduais do Oklahoma anunciaram esta quarta-feira que pretendem usar gás de nitrogénio para executar os condenados quando este Estado recomeçar a aplicar a pena de morte, no que será a primeira aplicação desta modalidade de execução.

O anúncio foi feito pelo procurador-geral estadual, Mike Hunter, e o diretor das prisões, Joe Allbaugh.

O Oklahoma e outros Estados não têm conseguido obter as drogas requeridas para a injeção letal, perante a oposição dos fabricantes em verem os seus produtos associados às execuções.

Este Estado tem sido um dos que mais execuções faz nos EUA, mas desde 2015 que não executou qualquer condenado à morte, devido a uma série de situações polémicas, incluindo uma injeção letal, em 2014, que foi mal executada e deixou um condenado a contorcer-se na maca.

Hunter afirmou que o uso do nitrogénio é a melhor maneira de recomeçar as execuções no Oklahoma.

Lusa

  • Faltam 71 obstetras no SNS e as férias vão agravar a situação
    2:32

    País

    Faltam 71 obstetras no Serviço Nacional de Saúde pelas contas da Ordem dos Médicos. Com o verão e as férias à porta, a Ordem alerta para a eventualidade de, nalgumas regiões, ser preciso transferir os partos mais complicados para unidades onde houver especialistas.

  • Combate ao terrorismo e corrupção são prioridades do novo diretor da PJ
    2:42

    País

    O novo diretor da Polícia Judiciária diz que o combate ao terrorismo e à corrupção estão entre as maiores prioridades para a PJ. Mas alerta que são precisos meios para cumprir essa missão. Luís Neves tomou posse esta manhã, depois de 20 anos ligados à investigação do crime mais violento.

  • Uma viagem pela Estrada Nacional 236
    2:52
  • A reconstrução depois da tragédia de Pedrógão
    2:43
  • Três mortos e mais de 200 feridos do sismo no Japão
    1:07

    Mundo

    Pelo menos três pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas na sequência de um sismo de magnitude 6,1 na escala de Richter que atingiu hoje a região oeste do Japão, segundo um novo balanço das autoridades nipónicas. Uma das vítimas mortais era uma criança de 9 anos.