sicnot

Perfil

Mundo

PM eslovaco aceita demitir-se para resolver crise após assassínio de jornalista

Radovan Stoklasa

O primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico, anunciou esta quarta-feira que vai apresentar a sua demissão nas próximas horas para tentar preservar o atual governo de coligação, na sequência da crise motivada pelo recente assassinato de um jornalista de investigação.

Fico assegurou estar pronto para se demitir caso o novo primeiro-ministro seja proveniente do seu partido Smer (social-democrata) e que o nome seja apresentado na quinta-feira.

O objetivo consiste em completar a atual legislatura, até março de 2020. A decisão do chefe do executivo e líder dos sociais-democratas foi aceite pelos seus parceiros do ultranacionalista Partido nacional eslovaco e do Most-Hid, que representa a minoria húngara, mas permanece pendente de confirmação pelo Presidente Andrej Kiska.

O chefe de Estado tinha exigido uma ampla remodelação ministerial ou eleições antecipadas para ultrapassar a crise. Dezenas de milhares de eslovacos manifestaram-se na semana passada para exigir a demissão do Govenro. A atual crise teve origem no assassinato de um jornalista de investigação eslovaco.

Ainda hoje, a União Europeia tinha pedido à Eslováquia um rápido esclarecimento sobre esta morte, e a cooperação de Bratislava com o Gabinete europeu de luta anti-fraude. Os corpos do jornalista Jan Kuciak e da sua companheira, Martina Kusnirova, foram encontrados no dia 25 de fevereiro na sua casa em Velka Maca, a cerca de 65 quilómetros a leste de Bratislava. Ambos terão sido executados com um tiro na nuca.

O 'site' da internet Aktuality.sk, onde Kuciak trabalhava, referiu que o jornalista tinha estado a investigar atividades da máfia italiana na Eslováquia, e possíveis ligações com pessoas próximas de Fico.

Este acontecimento já tinha implicado a demissão de dois ministros eslovacos. O 'site' e outros meios do mesmo grupo publicaram uma versão inacabada do artigo de Kuciak sobre as alegadas relações políticas de empresários italianos suspeitos de estarem ligados à máfia calabresa 'Ndrangheta', que operaria no leste da Eslováquia.

Alguma imprensa fez eco deste artigo, suscitando críticas do primeiro-ministro, que mostrou aos jornalistas várias pilhas de notas, representando um prémio de um milhão de euros para qualquer informação que possa ajudar a encontrar os responsáveis do crime.

Este caso na Eslováquia ocorre depois do assassinato em Malta, em outubro de 2017, da jornalista Daphne Caruana Galizia, que denunciou crimes e corrupção na ilha do Mediterrâneo, também um Estado-membro da União Europeia.

Lusa

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.