sicnot

Perfil

Mundo

Hezbollah diz que os tweets e as ameaças de Trump "não assustam"

(Reuters/arquivo)

© Sharif Karim / Reuters

O líder do movimento xiita libanês Hezbollah declarou esta sexta-feira num comício em Beirute, que os 'tweets' e as ameaças de Donald Trump "não assustam" a Síria, o Irão, a Rússia ou os "movimentos de resistência" da região.

Hassan Nasrallah, que falava no decorrer um ato eleitoral (o Hezbollah é uma formação política, que apoia o governo do Líbano), disse que as ameaças de Trump - que na quarta-feira disse que haveria mísseis a caminho da Síria - não passam de "Hollywood".

"Todos estes 'tweets' e ameaças... não assustam a Síria, o Irão, a Rússia nem os movimentos de resistência na região", disse o líder do Hezbollah.

Nasrallah também disse que a acusação de que o governo sírio usou armas químicas em Douma não tem lógica, além de não existirem provas.

"Alguém encurralado poderia usar (armas) químicas, mas por que o faria alguém que é vitorioso", questionou.

O líder do Hezbollah falava aos apoiantes do partido em Beirute, mas através de uma ligação por satélite. Sobre o ataque contra Douma, Nasrallah disse que se trata de "teatro".

Por outro lado, Nasrallah referiu-se ao ataque da aviação israelita contra uma base aérea síria - que resultou na morte de sete iranianos - como um "erro histórico".

O ataque, na qual caças israelitas dispararam até oito mísseis contra a base T4, ocorreu na segunda-feira, dois dias depois do alegado ataque com armas químicas em Douma.

Hassan Nasrallah disse que esta ação significa que a região entrou numa nova fase, na qual Israel está num estado de "confronto direto" com a República Islâmica do Irão.

O Irão, a Rússia e a Síria apontaram o dedo a Israel, mas Telavive não admitiu responsabilidades pelo ataque.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57