Mundo

MNE russo pede para ver provas de ataque químico do regime sírio em Douma

MAXIM SHIPENKOV

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, pediu hoje para ver as provas que EUA, França e Reino Unido dizem ter do alegado ataque químico contra Douma, que originou os ataques desta madrugada na Síria.

“Eles disseram que os factos eram incontestáveis, mas que não os podem partilhar connosco”, disse Lavrov num encontro com jornalistas em Moscovo, citado pela BBC.

“Não nos dão mais nada, limitam-se a citar meios de comunicação, redes sociais e o vídeo, o que é absurdo da parte de especialistas”, acrescentou, citado pela agência russa Tass.

“A Rússia seria a primeira a querer travar um tal ataque”, assegurou o ministro russo.

Os EUA, a França e o Reino Unido realizaram hoje uma série de ataques com mísseis contra três alvos associados à produção e armazenamento de armas químicas na Síria.

O ataque foi uma retaliação pelo alegado ataque com armas químicas lançado pelo regime sírio a 07 de abril contra a cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco, no qual morreram pelo menos 40 pessoas.

“Isto aconteceu um dia antes de os inspetores chegarem [a Douma] para investigar”, disse Lavrov, referindo-se à missão da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) que se deslocou à Síria para investigar o ataque.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse na quinta-feira, numa entrevista à televisão nacional francesa, ter provas de que o regime sírio usou armas químicas no ataque a Douma e afirmou que isso constitui uma violação de uma “linha vermelha” que podia levar a ataques ocidentais.

Hoje, depois dos ataques, o Governo francês divulgou um relatório, baseado em “informações fiáveis” e “fontes abertas”, que concluiu que o ataque a Douma foi lançado pelo regime de Bashar al-Assad.

Também hoje, a Casa Branca divulgou um relatório citando “um significativo conjunto de informações” que aponta para o uso de cloro em Douma e “informações adicionais” que apontam para o uso de gás sarin.

“Com base nas informações recolhidas pelos nossos serviços e na ausência até à data de amostras analisadas por laboratórios nossos, França considera, para lá de dúvida possível, que um ataque químico foi perpetrado contra civis em Douma e que não há outro cenário plausível que ter sido um ataque das forças sírias”, lê-se no relatório, citado na imprensa francesa.

Lusa

  • Tudo em aberto enquanto se espera pela resposta da Rússia
    0:51

    Mundo

    O correspondente da SIC em Israel Henrique Cymerman diz que está tudo em aberto e que se aguarda agora a reação da Rússia ao ataque desta madrugada. Os bombardeamentos desta madrugada representam a condenação do uso de armas químicas, mas Cymerman diz que faltou até agora uma condenação veemente do uso de armas convencionais pelo regime de Bashar Al Assad num conflito que já leva 7 anos.

  • Há uma praga de gaivotas no Porto
    2:13
  • Construção civil volta a crescer
    0:49

    Economia

    Depois de anos a ser um dos setores mais penalizados pela crise a construção civil voltou a crescer. Em 2017 foram licenciados quase 19 mil edifícios, um aumento de 10% em relação ao ano anterior. 

  • Novo vídeo mostra rapazes tailandeses a dizer que estão bem e a agradecer apoio
    2:07