Mundo

Assad acusa EUA e aliados de lançarem "campanha de falácias e mentiras"

SANA HANDOUT

O Presidente sírio acusou este domingo os Estados Unidos e os seus aliados de lançarem uma "campanha de falácias e mentiras" após a ofensiva militar lançada no sábado na Síria por Washington, Londres e Paris.

"A agressão tripartida contra a Síria foi acompanhada por uma campanha de falácias e mentiras no Conselho de Segurança [da ONU] por parte dos mesmos países agressores contra a Síria e a Rússia", afirmou hoje Bashar Al-Assad, numa reunião com uma delegação parlamentar russa, em Damasco.

Para Assad, a atual situação prova que a Síria e a Rússia "estão a lutar contra o terrorismo e a proteger a lei internacional baseada no respeito à soberania dos Estados soberanos e à vontade dos seus povos".

"A agressão tripartida contra a Síria é uma violação clara das convenções internacionais que surge num momento em que os sírios estão a tentar restaurar a estabilidade e continuar o processo de reconstrução do que foi destruído pelo terrorismo", afirmaram, por seu turno, os parlamentares russos, citados pela agência de noticias oficial síria, Sana.

A delegação russa era composta por deputados do Rússia Unida, o partido que apoia o presidente Vladimir Putin.

Os Estados Unidos, França e Reino Unido atacaram na madrugada de sábado alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta ao alegado ataque com armas químicas contra a cidade rebelde de Douma, Ghouta Oriental, por parte do Governo de Bashar al-Assad, ocorrido uma semana antes e que terá provocado 40 mortos e atingido outras 500 pessoas.

A ofensiva consistiu em três ataques, com uma centena de mísseis, contra instalações utilizadas para produzir e armazenar armas químicas, informou o Pentágono.

Segundo o secretário-geral da NATO, a ofensiva teve o apoio dos 29 países que integram a Aliança.

Hoje, o presidente russo alertou para a possibilidade de novos ataques à Síria por parte dos países europeus poderem provocar "o caos" nas relações internacionais.

"Se tais ações, que são uma violação da Carta das Nações Unidas, voltam a acontecer, tal provocará inevitavelmente o caos nas relações internacionais", afirmou Putin em conversa com o seu homólogo iraniano, Hassan Rohani, segundo um comunicado divulgado pelo Kremlin.

Entretanto, as forças do Governo sírio atacaram o norte da província central de Homs e sul da vizinha Hama, depois de proclamarem vitória na região de Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco, revelou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Segundo aquela fonte, citada pela agência de notícias espanhola EFE, a operação aconteceu próximo da estrada que liga a cidade de Homs, capital da província homónima, com a povoação de Al Salamiya, em Hama, com o objetivo de garantir a segurança rodoviária entre aquelas duas zonas.

Os confrontos entre tropas do Governo e fações rebeldes estão concentrados em áreas como Al Hamirat, Selim, Al Amariya e Quibe al Kurdi.

Lusa

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34