Mundo

Autoridades supeitam que milícias são responsáveis pelo homicídio de Marielle Franco

Ricardo Moraes

O ministro da Segurança Pública do Brasil, Raul Jungmann, afirmou esta segunda-feira que a ação das milícias é a principal hipótese investigada pela polícia para explicar a morte da vereadora Marielle Franco, assassinada há um mês no Rio de Janeiro.

"Eles (investigadores) partem de um grande conjunto de possibilidades e vão afunilando pouco a pouco. Estão, praticamente, com uma ou duas pistas fechadas". A "mais provável hipótese (para explicar o assassinato) remete este crime muito provavelmente a atuação das milícias no Rio e Janeiro", disse Raul Jungmann numa entrevista à rádio CBN. A hipótese sobre o envolvimento de milícias no assassinato de Marielle Franco tem sido referida por diversas vezes, mas o Governo brasileiro ainda não havia falado abertamente sobre esta hipótese.

As milícias são organizações criminosas, compostas de ex-polícias ou agentes no ativo corruptos, que controlam diferentes áreas do Rio de Janeiro disputando o controlo de territórios de favelas com traficantes, cuja presença aumentou na última década.

Marielle Franco foi morta numa ação com características de execução a 14 de março, após sair de um evento com mulheres negras. Os assassinos e possíveis mandantes do crime ainda não foram identificados pelas autoridades brasileiras.

Na sua atuação política, a vereadora Marielle Franco costumava defender minorias e denunciar casos de violência contra moradores das favelas 'cariocas'.

Estruturas internacionais como a Organização das Nações Unidas (ONU), a Human Rights Watch (HRW) e a Amnistia Internacional têm exigido publicamente que o Governo brasileiro desvende o crime e puna os culpados.

Lusa

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34
  • "Não deveria ter aceitado jogar naquela final"
    1:40

    Desporto

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete e da final da Taça de Portugal, pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • Marcelo volta a levantar dúvidas sobre 2.º mandato
    2:11
  • Marcelo acredita na livre circulação no espaço da CPLP
    0:45

    País

    O Presidente da República que avançar na proposta da mobilidade de cidadãos no espaço da CPLP. Na noite de terça-feira, no discurso que fez na abertura da Cimeira de Cabo Verde, Marcelo não esqueceu as mudanças no sentido da democracia e valores que se concretizaram desde a última cimeira, em Brasília, há dois anos.

  • Veleiro preso em cabos elétricos na Ria de Aveiro
    1:39

    País

    O mastro de um veleiro embateu e ficou preso num cabo elétrico. O incidente, sem consequências para a tripulação de nacionalidade dinamarquesa ocorreu, ao fim da tarde de terça-feira, na ria de Aveiro.