sicnot

Perfil

Mundo

Conchita confessa ser seropositiva para pôr fim a chantagem

Morris MacMatzen

Conchita Wurst, a diva barbuda austríaca que ganhou o Festival da Eurovisão de 2014, admitiu esta madrugada ser portadora do vírus HIV. A artista confessou nas redes sociais ser seropositiva porque um "ex-amigo" ameaçou divulgar a informação ao público.

Instagram

"Chegou o dia de libertar-me para o resto da minha vida, com uma espada de Dâmocles: Eu sou seropositiva, portadora de VIH", disse a cantora travesti na sua página do Instagram.

"Um ex-amigo ameaçou divulgar essas informações pessoais, e eu não vou dar a ninguém o direito de tentar assustar-me e influenciar a minha vida também", acrescenta.

Desde que conquistou o Festival da Eurovisão em 2004 como um travesti de barba rija, cabelo comprido e vestido de mulher que Conchita Wurst se transformou num ícone e num embaixador dos direitos dos homossexuais em todo o mundo.

Agora "espera encorajar os outros e a fazer um novo movimento contra a estigmatização das pessoas" portadores de HIV.

Conchita que afinal se chama Tom Neuwirth admitiu que a família sabia "desde o primeiro dia" que era portadora de HIV, assim como a comitiva que a acompanha nos espetáculos.

"Eu sou saudável e eu sou mais forte, mais motivada e mais livre do que nunca", assegurou a artista, que acrescentou ainda no Instagram que o vírus da SIDA está há "muitos anos abaixo do limiar de detecção" .

  • Conchita Wurst visita Portugal com a avó
    6:52

    Cultura

    Conchita Wurst, a cantora austríaca que venceu o Festival Eurovisão da Canção de 2014, esteve em Lisboa a propósito de uma conferência sobre os Direitos Humanos na Fundação Gulbenkian. Veio acompanhada pela avó que passou parte da infância na capital portuguesa. Maria Margareta foi uma das cinco mil crianças refugiadas que o país acolheu durante a Segunda Guerra. A cantora diz que a avó nunca se importou com as escolhas do neto e foi quem lhe comprou a primeira saia.

  • Conchita Wurst canta no Parlamento Europeu
    1:17

    SIC Europa

    O vencedor do Festival da Eurovisão esteve esta quarta-feira no Parlamento Europeu, em Bruxelas. Foi convidado pela eurodeputada ecologista austríaca Elrike Lunacek para falar de valores como a tolerância e o respeito. Conchita Wurst, que tem gerado várias discussões, por causa da imagem de mulher barbuda, cantou com a bandeira da União Europeia como fundo. Um miniconcerto que procurou levantar também a discussão em torno do casamento entre pessoas do mesmo sexo, que continua a não ser permitido em vários países da União Europeia.

  • Conchita Wurst em Portugal e na final do Ídolos
    5:46

    Cultura

    Tornou-se conhecida como a mulher de barba que venceu o Festival Eurovisão da Canção em 2014. Conchita Wurst esteve este fim de semana pela primeira vez em Portugal. Atuou na final do Ídolos e falou com a reportagem da SIC.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.