Mundo

Greve leva Air France a anular 30% dos voos desta terça-feira

(Arquivo)

Philippe Laurenson

A companhia aérea francesa Air France anunciou esta segunda-feira que vai anular 30% do programa de voos de terça-feira devido à greve tanto de pilotos como de pessoal de cabine e de terra.

A companhia precisou num comunicado que prevê garantir 55% dos voos de longo curso e 65% dos voos europeus com saída ou chegada no aeroporto de Charles de Gaulle em Paris e 80% dos voos domésticos.

Em relação a Portugal, fonte da companhia aérea referiu à Lusa que, até ao momento, há dois voos cancelados para terça-feira, nas rotas Lisboa-Paris Charles de Gaulle (voo AF1025, 11:05-13:35) e Porto-Paris Charles de Gaulle (voo AF1529, 15:50) e também um na quarta-feira (AF1125 -- 05:40-09:10). Porém, garantiu que "estão a ser encontradas e apresentadas a todos os passageiros soluções alternativas".

A companhia não afasta anulamentos pontuais e possíveis atrasos de última hora.

Segundo as estimativas, 29,6% dos pilotos faz greve, juntamente com 20,4% do pessoal de cabine e 12,4% dos trabalhadores de terra.

A mobilização dos sindicatos começou em fevereiro impulsionada por um pedido de aumento salarial de 6% para compensar a perda de poder de compra devido à inflação nos últimos anos.

Numa tentativa para acabar com o conflito laboral -- que, segundo os cálculos da Air France, já custou à empresa cerca de 170 milhões de euros -- a companhia anunciou na última terça-feira a abertura de negociações plurianual sobre os salários.

A maioria dos sindicatos aceitou a proposta da direção para se sentarem a negociar, ainda que tenham mantido os previstos para este mês, que inclui além da greve da próxima terça-feira, as convocadas para 23 e 24 de abril.

Lusa

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34