Mundo

Marcelo e rei Felipe VI participam numa homenagem aos mortos perturbada por manifestação de reformados

Sergio Perez

A cerimónia com o Presidente da República portuguesa e o rei de Espanha de homenagem aos Caídos (mortos) pela pátria espanhola foi, esta segunda-feira, em Madrid, perturbada pelos gritos e assobios de uma manifestação com várias centenas de reformados.

Os pensionistas expressavam perto do Congresso dos Deputados (parlamento) o seu desagrado pela falta de aumentos das reformas, mas quando viram o cortejo oficial chegar a uma praceta ao lado, e sem saber muito bem o que se passava, resolveram dirigir-se para o local para manifestar o seu descontentamento.

Quando saiu do carro oficial, Marcelo Rebelo de Sousa, que também não sabia o que estava a acontecer, sorriu para os manifestantes, acenou e fez o símbolo de "ok" com o polegar para cima.

Assobios e várias palavras de ordem como "o povo unido jamais será vencido" foram abafadas pela banda militar que entoou o hino de Portugal e de Espanha.

A cerimónia demorou alguns minutos e no final Felipe VI e Marcelo Rebelo de Sousa despediram-se e entraram cada um no seu carro.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, iniciou hoje uma visita de Estado de três dias a Espanha, durante a qual terá vários encontros com o rei Felipe VI e será recebido pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy.

Acompanham-no nesta deslocação ao Reino de Espanha, dividida entre Madrid e Salamanca, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e os deputados Carla Barros, do PSD, Luís Testa, do PS, António Carlos Monteiro, do CDS-PP e Rita Rato, do PCP - o Bloco de Esquerda optou por não se fazer representar.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou à capital espanhola no domingo à noite e foi recebido hoje de manhã pelos reis de Espanha, Felipe VI e Letizia, no Palácio Real, com honras militares.

Depois, na Câmara Municipal de Madrid, recebeu as chaves da cidade, antes de prestar homenagem aos "caídos por Espanha", na Praça da Lealdade, e da audiência com Felipe VI, no Palácio da Zarzuela, residência oficial dos reis espanhóis, seguida de um almoço privado com os monarcas.

À tarde, o chefe de Estado participará num debate com estudantes na Universidade Carlos III, sobre as relações de Portugal, Espanha e União Europeia com a América Latina, e à noite terá um jantar de gala oferecido pelos reis de Espanha em sua honra, no Palácio Real.

Lusa

  • Maior avião de passageiros do mundo aterra hoje em Portugal
    1:09
  • Cristas ataca Costa com "logro" da saúde e o "pântano" de Tancos
    1:39

    País

    A líder do CDS diz que o Governo de António Costa está esgotado e que o país está pior agora do que no período da troika. Acusações feitas no encerramento do congresso do partido na Madeira, onde Assunção Cristas afirmou que quer voltar a eleger um deputado pela região autónoma.