sicnot

Perfil

Mundo

Reino Unido convida Zimbabué para cimeira da Commonwealth 15 anos depois

Luke MacGregor

O Zimbabué vai participar, a convite do Reino Unido, na Cimeira da Commonwealth, regressando desta forma aos palcos internacionais, 15 anos depois de ter sido suspenso da comunidade britânica, disse esta segunda-feira fonte oficial.

Segundo o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros zimbabueano, Joey Bimha, citado pela agência noticiosa France Presse (AFP), o Zimbabué será representado nos trabalhos, que começam terça-feira em Londres, terminando um dia depois, pelo chefe da diplomacia, Sibusino Moyo, que não participará, porém, nas deliberações finais.

O antigo Presidente do Zimbabué Robert Mugabe fechou a porta à participação do país na cimeira que reúne as antigas colónias britânicas depois de, em 2003, a Commonwealth ter decidido suspendê-lo na sequência das eleições gerais de então, marcadas pela violência e por acusações de fraude.

"O ministro (Sibusino Moyo) foi convidado pelo seu homólogo britânico (Boris Johnson), mas não participará nas deliberações", referiu Bimha, salientando que a participação do Zimbabué nos trabalhos da cimeira "demonstra a vontade" do novo chefe de Estado, Emmerson Mnangagwa, em melhorar as relações internacionais e de desenvolver os investimentos estrangeiros no país.

"O Presidente (Emmerson Mnangagwa) já disse que fará tudo o que for necessário para retomar o contacto com o mundo", lembrou.

O Zimbabué começou a ficar cada vez mais isolado no mundo durante a década de 1990, face à deriva autoritária de Robert Mugabe, que presidiu o país entre 1980 (ano da independência) e novembro de 2017, quando foi forçado, aos 93 anos (já fez 94) a abandonar o poder num "golpe de força" quer do exército quer a União Nacional Africana do Zimbabué - Frente Patriótica (ZANU-PF), partido que liderou também até então.

Antigo vice-presidente e fiel ao regime de Mugabe, Emmerson Mnangagwa, 75 anos, prometeu relançar a economia e as finanças que o regime autoritário do ex-chefe de Estado deixou na penúria após 37 anos de poder.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.