Mundo

Raqqa volta a receber um jogo de futebol depois do domínio do Daesh

O estádio da cidade síria de Raqqa voltou a receber um jogo de futebol, depois de servir como prisão para o grupo extremista Estado Islâmico (EI), que proibiu a prática do desporto na cidade.

"Durante três anos fomos proibidos pelo EI de jogar futebol. Tínhamos de jogar em segredo", disse Aziz al-Sajer, jogador do Al-Rachid, equipa da cidade de Raqqa, que esteve detido pelo grupo terrorista durante um mês.


Raqqa tenta voltar à normalidade depois de fugir ao domínio do grupo extremista islâmico e ser reconquistada por uma coligação de combatentes curdos e árabes, apoiada por Washington.


O Al-Rachid defrontou o Al-Sad, equipa da cidade vizinha Tabqa, num estádio onde ainda se conseguem ver as bancadas cheias de buracos de balas. O jogo teve a assistência de poucas dezenas de pessoas, homens sobretudo, mas com algumas mulheres a querer marcar também presença.


A equipa da casa acabou por perder por 3-1, mas os adeptos locais desvalorizaram a derrota face ao momento histórico que presenciaram.
O Estado Islâmico, enquanto dominava a cidade de Raqqa, proibiu qualquer demonstração alusiva ao mundo futebolístico, confiscando todas as camisolas de clubes do ocidente.


"Eles tiraram-nos as nossas camisolas todas. Não podíamos ter o nome do Real Madrid ou do Barcelona nas nossas camisolas, podíamos ir para a prisão simplesmente por isso", lembrou Aziz al-Sajer.


O estádio vai agora albergar os jogos de uma liga na qual estão presentes equipas de várias cidades controladas pelas Forças Democráticas da Síria (SDS), grupo que se tem destacado na luta contra o EI na Síria.

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Crédito automóvel acelera
    1:05
  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".