Mundo

Procurador-geral colombiano diz que país está "inundado em coca"

Polícias antinarcóticos lançam herbicida numa plantação de coca em La Espriella, na Colômbia

Eliana Aponte

O procurador-geral da Colômbia, Fernando Carrillo, disse hoje que o país está "inundado em coca, especialmente nas áreas fronteiriças" e que é preciso repensar as políticas, diferente da substituição voluntária, para acabar com os cultivos ilegais.

Em maio do ano passado, o Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, lançou um plano de substituição das plantações de coca, componente base da cocaína, para aplicar o acordo de paz assinado com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e terminar meio século de conflito armado.

Para Fernando Carrillo, o plano que oferece uma solução para os cultivadores de coca, de modo a que a substituam por produtos legais, não se tem mostrado eficiente.

"Se de agora em diante, e como se tem verificado, a estratégia não funcionar, há que pensar noutras soluções", disse.

O procurador-geral sublinhou que nas regiões onde o cultivo de coca aumentou, "há também uma crescente presença do crime organizado, grupos armados e cartéis internacionais". "Onde há cartéis, crime organizado, pouca presença do Estado, a corrupção domina", acrescentou.

O antecessor de Carrillo na Procuradoria Geral da República Alejandro Ordóñez já havia alertado, em 2015, que a Colômbia estava "a nadar em coca".

O cultivo de coca na Colômbia aumentou 52% em 2016, tendo a área de plantação passado dos 96 mil para os 146 mil hectares, de acordo com um estudo, divulgado em julho passado, pela Agência das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (UNODC).

Em relação à produção de cocaína, o mesmo estudo calculou um aumento de 34%, de 646 toneladas em 2015, para 866 toneladas em 2016.

A ONU também sublinhou que o preço por quilo de folhas de coca aumentou 43% relativamente às estimativas de 2013, "o ano em que a tendência começou a ser de aumento da área plantada".

Lusa

  • Volta ao Mundo em Arroios
    18:46

    Reportagem Especial

    Tem mais de 90 nacionalidades diferentes. Os censos de 2011 da freguesia de Arroios, em Lisboa, registavam 4.500 estrangeiros mas nos últimos anos o número terá duplicado. É a freguesia mais multicultural do país, onde a diferença é a principal riqueza.

  • Anticiclone dos Açores afasta o verão de Portugal
    1:46

    País

    O verão vai continuar ameno em Portugal e, no início da próxima semana, as temperaturas máximas vão mesmo descer. Um cenário bem diferente do do norte da Europa, onde são as ondas de calor que estão a preocupar as autoridades. 

  • Ryanair prevê cancelamento de 50 voos diários em Portugal
    2:10

    Economia

    A Ryanair vai cancelar até 50 voos em Portugal durante os dois dias de greve, na próxima semana. A companhia irlandesa garante que já contactou 90% dos clientes com viagens marcadas de e para o país, que podem agora pedir o reembolso ou reagendar os voos.

  • Sócrates defende Pinho e critica Parlamento

    País

    José Sócrates saiu em defesa do seu antigo ministro da Economia, Manuel Pinho. Num artigo de opinião publicado no Expresso, o ex-primeiro-ministro aponta o dedo ao presidente do PSD e ao líder parlamentar do PS.

  • PP espanhol elege o líder mais jovem de sempre

    Mundo

    O novo presidente do Partido Popular (PP) espanhol, Pablo Casado, com 37 anos, é o líder mais jovem que este partido já teve na sua curta história, sendo visto por muitos como defensor da ala mais conservadora e tradicional.