Mundo

Cronologia do resgate de 13 jovens em gruta da Tailândia

Sakchai Lalit

O resgate do treinador e das 12 crianças, com idades compreendidas entre 11 e 16 anos, de uma gruta inundada no norte da Tailândia encerrou após um período de 17 dias em que a equipa de futebol esteve presa no subsolo.

Esta terça-feira, a operação de resgate permitiu retirar os quatro últimas crianças e o treinador da gruta de Tham Luang, onde a equipa ficou presa, a cerca de quatro quilómetros da entrada, num complexo de túneis com zonas muito estreitas e alagadas pelas chuvas da monção que afetaram a zona.

Cronologia dos dias da operação de resgate:

23 de junho

Uma mãe dá o alerta, depois de constatar o regresso tardio do filho, após um treino da equipa de futebol. As bicicletas e calçado das crianças foram encontradas horas mais tarde, na entrada da gruta. As buscas foram iniciadas, mas foram interrompidas devido à queda da noite.

24 de junho

Durante a noite, a chuva que caíu fez elevar o nível da água de forma acentuada. Mergulhadores foram mobilizados para a gruta.

25 de junho

Os mergulhadores atingiram uma primeira câmara da gruta.

Stringer .

26 de junho

O responsável pela junta Prayut Chan-O-Cha pediu "a mobilização de todos" para encontrar sobreviventes. A equipa de salvamento e busca foi reforçada com várias centenas de pessoas, incluindo dezenas de mergulhadores. Apesar da instalação de bombas para retirar água, o nível está situado em cinco metros.

27 de junho

Uma terceira área desta complexa rede de túneis subterrâneos inundou. Mergulhores britânicos juntam-se à equipa de salvamento durante a noite.

28 de junho

Várias dezenas de militares norte-americanos e outros especialistas internacionais chegaram à gruta de Chiang Rai.

Soe Zeya Tun

29 de junho

Depois de uma suspensão das operações de mergulho por causa do nível de água muito elevado, apesar das bombas instaladas, as buscas aquáticas foram retomadas. Os socorristas iniciaram a exploração de uma nova via de acesso à câmara onde as crianças e o treinador se encontravam. As equipas de resgate providenciaram 'kits' de sobrevivência, com comida e telefones portáteis.

Soe Zeya Tun

30 de junho

A água barrenta constituiu uma dificuldade para os mergulhadores, sem visibilidade, e limitou muito o seu progresso através da entrada principal, que se encontrava inundada. A precipitação terminou.

Sakchai Lalit

01 de julho

Os socorristas estabeleceram uma base operacional avançada no interior da gruta, a três quilómetros da entrada.

Soe Zeya Tun

02 de julho

Os mergulhadores avançaram, estimando que estivessem a não menos de 600 metros da zona onde se encontravam as crianças e o treinador. À noite, os socorristas atingiram a câmara e constataram que os resgatados estavam bem.

ROYAL THAI NAVY / HANDOUT

03 de julho

Víveres e medicamentos foram encaminhados para a câmara. Médicos juntaram-se e aferiram a capacidade das crianças para mergulhar. O bombeamento de água manteve o nível de água o mais baixo possível e tornou a evacuação menos difícil.

04 de julho

A Marinha tailandesa difundiu um segundo vídeo, mostrando as crianças e o treinador a dizerem que estavam "de boa saúde".

05 de julho

Os socorristas mantinham a esperança de que, com a ajuda das bombas, o nível da água baixasse, permitindo que as crianças mergulhassem.

THAI NAVY SEAL / HANDOUT

06 de julho

Um antigo membro dos fuzileiros tailandeses morreu por ter faltado uma reserva de oxigénio, depois de ter aprovisionado com víveres as crianças e o treinador.

Saman Gunan, de 38 anos, antigo oficial da marinha gostava de correr e de ciclismo

Saman Gunan, de 38 anos, antigo oficial da marinha gostava de correr e de ciclismo

07 de julho

O treinador escreveu uma carta, tornada pública pelos socorristas. "Peço desculpas a todos os pais", escreveu. Apesar da baixa do nível de oxigénio, uma saída em mergulho da gruta chegou a ser uma hipótese a excluir pelas autoridades.

Soe Zeya Tun

08 de julho

Quatro das 12 crianças foram resgatadas, cada uma escoltada por dois mergulhadores.

09 de julho

Saída de quatro outras crianças, elevando para oito o número. Faltavam quatro outras e o treinador.

10 de julho

Última operação de resgate. Os 13 membros da equipa de futebol, incluindo o treinador, saíram sãos e salvos.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16