Mundo

Resgate de crianças e treinador suscita reação de júbilo à escala mundial

Soe Zeya Tun

O resgate das 12 crianças e do seu treinador de futebol, que estiveram presos numa gruta na Tailândia mais de duas semanas, suscitou esta terça-feira uma reação de júbilo à escala mundial, com vários líderes internacionais a celebrarem o feito.

Da distante Islândia, em relação à Tailândia, surgiu a primeira reação de um líder internacional, segundo noticiaram os 'media' internacionais.A primeira-ministra islandesa, Katrin Jakobsdottir, celebrou o sucesso da operação com uma mensagem na rede social Twitter: "Hoje, a esperança, compaixão e coragem ganharam. Grandes desejos de uma recuperação rápida a todos os corajosos rapazes dos vossos amigos na Islândia".

O Presidente norte-americano, Donald Trump, também utilizou a sua conta no Twitter para saudar as notícias vindas da Tailândia, classificando o resgate das crianças e do treinador como "um belo momento"."Todos livres, belo trabalho!", escreveu o chefe de Estado norte-americano, parabenizando "em nome dos Estados Unidos" os mergulhadores dos fuzileiros da armada tailandesa e todos os outros elementos envolvidos "no resgate com sucesso dos 12 rapazes e do treinador da gruta traiçoeira na Tailândia".

A primeira-dama norte-americana, Melania Trump, também elogiou "o incrível e heroico esforço global" do resgate.A primeira-ministra britânica, Theresa May, foi outra das vozes internacionais que reagiu à conclusão bem-sucedida do resgate do grupo.

"Encantada por ver o resgate bem-sucedido daqueles que estavam presos nas grutas na Tailândia. O mundo estava a ver e estará a saudar a coragem de todos os envolvidos", afirmou May, numa mensagem também publicada nas redes sociais.

De Espanha veio uma mensagem do presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, que se congratulou com o sucesso da operação.

"Estamos a receber as melhores notícias da Tailândia (...) Obrigado a todos os heróis", escreveu Sánchez no Twitter.Ainda em Espanha e também através do Twitter, a Casa Real espanhola reagiu aos acontecimentos manifestando "admiração e reconhecimento" ao mergulhador espanhol Fernando Raigal por ter "trabalhado sem descanso num resgate memorável".

"Todos os rapazes e o treinador estão sãos e salvos! Ficámos todos nervosos, minuto a minuto, a ver o seu resgate. Felicidades para as famílias e todos que colaboraram neste resgate incrível", referiu a nota da Casa Real.

O porta-voz da chanceler alemã, Angela Merkel, reagiu também nas redes sociais à operação de salvamento dos jovens tailandeses."Tanto a admirar: a perseverança dos rapazes e do treinador corajosos, e a capacidade e determinação dos seus salvadores", escreveu Steffen Seibert.

Outra das vozes que manifestou a sua alegria pelos acontecimentos na Tailândia foi o empresário e milionário Elon Musk, que disponibilizou ajuda e meios, incluindo um minissubmarino (que não foi utilizado), para o resgate do grupo.

"Ótimas notícias (...) Parabéns à excelente equipa de resgate! Continuo a ser surpreendido pela coragem, resiliência e tenacidade das crianças e da equipa de resgate. O caráter humano no seu melhor", escreveu o dono da Tesla.

As autoridades tailandesas anunciaram hoje que estão a salvo os 12 jovens jogadores de futebol, com idades entre os 11 e os 16 anos, e o seu treinador, de 25 anos, que estavam há mais de duas semanas encurralados numa gruta na província de Chiang Rai, no norte da Tailândia.

A terceira fase da operação de resgate foi hoje concluída com a saída das últimas quatro crianças e do treinador.As restantes crianças já tinham sido resgatadas, igualmente com sucesso, no domingo e na segunda-feira.

O grupo de 12 rapazes e o treinador foram explorar a área depois de um jogo de futebol no dia 23 de junho.Na altura, as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída da gruta e impediram que as equipas de resgate os encontrassem durante nove dias.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16