Mundo

Maioria dos rapazes resgatados da gruta na Tailândia perdeu 2 quilos

Soe Zeya Tun

As crianças resgatadas da gruta de Tham Luang Nag Non, na província de Chiang Rai, na Tailândia, não apresentam sinais de stress. Continuam no hospital sob observação e a maioria terá perdido, em média, dois quilos nos 18 dias em que estiveram encurralados.

Para o inspetor de saúde pública Thongchai Lertwilairatanapong, as 12 crianças e o treinador "cuidaram bem de si mesmos", durante os 18 dias em que estiveram presos na gruta.

O último grupo salvo no dia de ontem, não apresentou sinais de hipotermia, mas o treinador e um dos últimos jovens contraíram uma "leve infeção pulmonar", segundo o responsável.

As autoridades revelaram que os primeiros quatro rapazes resgatados no domingo, dia 8, não têm febre e os exames feitos aos pulmões apresentam sinais de melhoria do estado de saúde.

Em relação ao segundo grupo de quatro crianças resgatadas, há dois dias, não foram detetadas quaisquer infeções.

O médico e os três mergulhadores que ficaram com o grupo na galeria subterrânea desde a semana passada também saíram do local e ficarão no hospital sob observação nos próximos dias.

"Há sintomas (psicológicos) que poderão demorar semanas a manifestar-se"

Em entrevista à SIC, a psicóloga da Cruz Vermelha Joana Pinheiro analisou os efeitos que este incidente pode ter nas crianças e nas equipas de resgate, e que tipo de acompanhamento psicológico será necessário que recebam.

Os 12 rapazes e o treinador desapareceram no sábado, dia 23 de junho, depois de um treino de futebol. Foram encontrados vivos nove dias depois. A operação de resgate envolveu quase 100 mergulhadores.

  • Jovens resgatados estão a ser acompanhados por psicólogos
    2:20

    Mundo

    Terminada a missão de resgate, todas as atenções centram-se agora no hospital onde estão internados os 12 rapazes e o treinador que estiveram 18 dias presos numa gruta na Tailândia. Os familiares estão ansiosos por notícias sobre o estado de saúde dos jovens, que estão a ser acompanhados por psicólogos.

  • Rapazes e treinador estavam presos na gruta desde 23 de junho
    2:26

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador ficaram encurralados na gruta no dia 23 de junho. Um dia depois, começaram as buscas. Dezenas, e depois centenas, de voluntários chegaram de todo o mundo para ajudar nas operações de busca. Nove dias depois, mergulhadores britânicos encontraram o grupo e foi então que começou a arriscada missão de resgate, que terminou esta terça-feira.

  • Os últimos pormenores da operação de resgate na gruta da Tailândia
    1:51

    Mundo

    Um mergulhador tailandês disse à CNN que esta era a mais difícil operação em que alguma vez esteve envolvido. Depois de chuvas torrenciais durante toda a noite e parte da manhã, a operação de hoje foi retomada com um único objetivo: o de resgatar as últimas 5 vítimas e libertar o médico e os elementos da Marinha que ficaram no interior da gruta desde a semana passada.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16