Mundo

Explosão no Cairo causa pelo menos 12 feridos

Explosão Cairo

A forte explosão que ocorreu na noite de quinta-feira num reservatório de produtos químicos perto do aeroporto do Cairo, no Egito, causou pelo menos 12 feridos, afirmou Tamer al-Rifai, porta-voz do exército.

A explosão foi violenta e ouvida pelos residentes que vivem num bairro próximo do aeroporto, situado a norte da capital egípcia, ainda segundo esta fonte.

Segundo fontes citadas pela agência France Press, os 12 feridos foram "transportados para o hospital", não sendo revelada a gravidade dos ferimentos.

Tamer al-Rifai explicou, na sua conta da rede social Twitter, que foi "o aumento do calor" que causou a explosão.

A explosão ocorreu num reservatório de uma empresa especializada em "indústrias químicas", a Heliopolis for Chemical Industries, localizada numa área controlada pelo exército.

Na zona foi criado um perímetro de segurança com forte presença policial. Vários veículos de emergência e dos bombeiros foram enviados para o local para extinguir as chamas e prestar auxílio aos feridos.

O ministro da Aviação Civil, Yunes al-Masri, já negou que a explosão tenha ocorrido dentro do perímetro do aeroporto e garantiu que o movimento aéreo "continua de maneira natural e organizada".

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.