Mundo

General francês diz que Daesh será derrotado em "algumas semanas" no leste

Ali Hashisho

O grupo extremista Daesh será derrotado militarmente no leste da Síria dentro de "algumas semanas", provavelmente no "final do verão", previu esta quinta-feira o general francês Frédéric Parisot.

"Ainda existem duas bolsas e dentro de algumas semanas, penso que podemos dizer com tranquilidade que o Daesh (acrónimo árabe de Estado Islâmico) não controlará mais qualquer território na nossa zona de operações", declarou o militar a partir de Bagdad, onde representa a França junto do comando da coligação internacional anti-EI sob direção norte-americana.

"A melhor estimativa para o final dos combates no vale médio do Eufrates é provavelmente o fim do verão", adiantou na conferência de imprensa semanal do Ministério das Forças Armadas em Paris.

O grupo extremista foi expulso de quase todo o vasto território que tinha conquistado em 2014 no Iraque e na Síria. Apenas mantém algumas bolsas no deserto no centro da Síria, na província de Homs, e no leste do país, ao longo da fronteira com o Iraque.

Os 'jihadistas' estão também presentes no sudoeste, onde são alvo de ataques por parte do regime sírio e do seu aliado russo. Existem ainda células ativas na província de Idleb (noroeste sírio) e no deserto no Iraque, na fronteira com a Síria.

"O último combate do Daesh será realmente entre Abu Kamal e Mayadin (província de Deir Ezzor) nas próximas semanas", disse o general Parisot.

As Forças Democráticas Sírias (FDS), uma aliança curdo-árabe apoiada pela coligação internacional, lançaram no início de maio a última fase da sua ofensiva para acabar com a presença do EI no leste da Síria.

O presidente francês, Emmanuel Macron, tinha inicialmente previsto para fevereiro o final das operações da coligação, mas o calendário foi alterado devido a uma ofensiva turca que levou a um destacamento das forças curdas para o norte.

"Não temos tropas terrestres, são as FDS que estão no solo. Por isso, as coisas são feitas ao seu ritmo", referiu Parisot.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • Ministro da Saúde critica "alarmismo" da presidente do Infarmed
    1:52

    País

    O ministro da Saúde garante que não existe nenhum pacto secreto entre o Governo e Rui Moreira sobre a transferência do Infarmed para o Porto. Ouvido esta manhã no Parlamento, Adalberto Campos Fernandes acusou a presidente do Infarmed de alarmismo quando diz que o processo de deslocalização pode constituir uma ameaça para a saúde pública.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.