Mundo

Mira Sorvino revela que diretor de casting a amordaçou com preservativo

Mario Anzuoni

A atriz Mira Sorvino admitiu que um diretor de casting a amordaçou com um preservativo quando ela tinha apenas 16 anos. A revelação foi feita durante um podcast para a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, onde conta que este não foi o único episódio de assédio que viveu.

"Eu tinha 16 anos e ele amordaçou-me", começa por dizer. "Ele amordaçou-me com um preservativo. Foi tão inapropriado...e o que estava um diretor de casting a fazer com um preservativo no bolso durante a audição?"

Na altura, Mira Sorvino estava a fazer provas para um filme de terror e explica que este foi um dos primeiros castings em que participou. O facto de ser nova no meio do entretenimento dissuadiu-a de questionar a prática.

Ao longo do podcast não revelou o nome do diretor de casting, no entanto, a atriz já veio pronunciar-se sobre o caso de Harvey Weinstein, culpando-o de não ter conseguido certos trabalhos por não aceitar as suas propostas sexuais.

A atriz de 50 anos acrescentou ainda que esta foi uma das muitas situações de assédio sexual pelas quais passou, confessando que os colegas sempre lhe disseram que se quisesse fazer carreira teria que ter relações sexuais com várias figuras do meio.

Sobre o movimento #MeToo, que veio encorajar várias vítimas de agressão e assédio sexual a contarem as suas histórias, Mira Sorvina acredita que foi uma boa forma de o público se começar a aperceber do quanto estas práticas estão disseminadas na indústria do entretenimento.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.