Mundo

Rato deixou duas mil pessoas às escuras durante um espetáculo de ballet

Jason Reed

Um corte de energia obrigou à evacuação do Teatro de Adelaide, na Austrália, durante um espetáculo de ballet. A empresa estatal de energia foi chamada ao local para tentar perceber o sucedido e o resultado da avaliação foi surpreendente. Um rato roeu um fusível e deixou às escuras todo o recinto artístico da cidade.

"As equipas encontraram um rato que entrou num dos nossos equipamentos de 11 mil volts e estragou um fusível", apuraram os peritos da empresa energética.

O corte de eletricidade aconteceu ontem, na segunda parte do espetáculo de ballet "Sleeping Beauty" ("A Bela Adormecida", em português). Os bailarinos continuaram a dançar na escuridão e o público começou a ligar as lanternas dos telemóveis.

No entanto, os técnicos não conseguiram solucionar o problema e tiveram que parar a apresentação. As duas mil pessoas que assistiam à sessão bateram palmas aos bailarinos e evacuaram a sala.

Houve quem registasse o momento, levantando uma questão: Será que o princípe a princesa vão ficar juntos?

A dúvida mantém-se porque não será possível reagendar a sessão. Contudo, os responsáveis pelo teatro garantiram à BBC que o público reagiu bem e que todos os que compraram o bilhete irão receber uma recompensa.

O corte de energia interrompeu também outro espetáculo de dança no Centro de Festivias de Adelaide.

  • Pacotes de açúcar vão ter 4 gramas
    1:50

    País

    A partir de janeiro de 2020, os pacotes individuais de açucar não devem pesar mais do que 4 gramas. O Estado assinou um acordo com as empresas de distribuição alimentar para garantir a redução do consum de açucar e, assim, melhorar a qualidade de vida dos portugueses. Já em 2016 tinha havido uma primeira redução do peso, que passou dos 8 para os 6 gramas.

  • Terá mesmo valido a pena tomar óleo de fígado de bacalhau na infância?

    Mundo

    Os suplementos de ómega 3 não trazem grandes benefícios na prevenção de enfartes, acidente vascular cerebral (AVC) ou morte prematura, concluiu um estudo a pedido da Organização Mundial de Saúde (OMS). A geração que foi obrigada pelos pais a tomar óleo de fígado de bacalhau não está assim muito mais protegida destas doenças que as outras.