Mundo

Estados Unidos acusam 12 russos de pirataria informática nas eleições de 2016

Kai Pfaffenbach

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou esta sexta-feira ter acusado 12 oficiais de inteligência da Rússia, por práticas de pirataria informática no ato que elegeu Donald Trump para a Presidência norte-americana, em 2016.

De acordo com informação do procurador-geral adjunto, Rod Rosenstein, os russos foram indiciados de pirataria, numa investigação sobre a possível coordenação entre a campanha de Donald Trump e a Rússia.

Os russos são acusados de invadir as redes de computadores do Comité Nacional Democrata, do Comité Democrata de Campanha do Congresso e da campanha presidencial de Hillary Clinton, libertando depois correios eletrónicos roubados na Internet nos meses que antecederam a eleição.

"A Internet permite que adversários estrangeiros ataquem os norte-americanos de maneiras novas e inesperadas", disse Rosenstein, acrescentando: "Eleições livres e justas são duras e controversas e sempre haverá adversários que trabalham para exacerbar as diferenças domésticas e tentar nos confundir, dividir e conquistar".

Anteriormente, 20 pessoas e três empresas tinham já sido indiciadas na investigação à alegada ingerência russa nas últimas eleições, que o procurador especial Robert Mueller lidera.

Isso inclui quatro ex-elementos da campanha de Trump e assessores da Casa Branca e 13 russos acusados de participar numa campanha de redes sociais, para influenciar a opinião pública norte-americana na eleição de 2016.

Lusa

  • "Nada de mau vai sair do encontro" com Vladimir Putin
    2:23

    Mundo

    A horas da cimeira com Vladimir Putin na Finlândia, Donald Trump diz não ter grandes expectativas mas assegura que nada de mau sairá do encontro. Numa entrevista à CBS, o Presidente norte-americano coloca a União Europeia a par da Rússia e da China como inimigos dos Estados Unidos.

  • Médicos nas prisões para rastrear e tratar reclusos com VIH e hepatites

    País

    Os médicos infeciologistas, gastrenterologistas e internistas vão passar a deslocar-se às prisões para cuidar dos reclusos infetados com VIH e hepatites B e C e vão realizar-se rastreios à entrada, durante e final da reclusão. Este modelo vai estar em vigor em 45 estabelecimentos prisionais do continente.

  • Gaza de novo à beira da guerra
    2:30