sicnot

Perfil

Opinião

"Sou sportinguista e isto custa-me um bocadinho"

"Sou sportinguista e isto custa-me um bocadinho"

O advogado Luís Filipe de Carvalho considera que as razões apontadas pelo Sporting para rescindir com Marco Silva não são suficientemente fortes. O técnico continua a ser treinador do Sporting até o processo estar concluído. Por isso, "não deveria assinar agora por outro clube". António Ribeiro Cristóvão diz que toda esta situação é "incrível".

  • Marco Silva usou fato de treino e não o fato oficial
    3:16

    Desporto

    Marco Silva foi despedido com justa causa do Sporting porque não usou o fato oficial do clube, num jogo para a Taça em finais do ano passado. É um dos vários argumentos para rescindir o contrato. No jogo em causa, frente ao Vizela, em dezembro do ano passado, o treinador envergou fato de treino com o símbolo do clube. Marco Silva tinha assinado um compromisso por mais três épocas e não estará disposto a abdicar dos mais de dois milhões de euros que entende que lhe são devidos.

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.