sicnot

Perfil

Opinião

Tempos de iliberalismo

De que é que hoje se fala na Europa? De migrações, invasões, muros, arame farpado, naufrágios, vigilância. Também se fala da Grécia, do Syriza, do resgate e da troika. Não se fala de muito mais. Talvez um pouco dos planos de François Hollande que quer «relaçar a Europa» com uma «vanguarda». Europa a várias velocidades, com vanguardas e rectaguardas. Já lá vai a ideia da coesão...

Nunca pensei duvidar do projecto europeu, da construção europeia. Hoje, duvido. A nomenclatura que a gere, e a tornou uma má empresa, está mais empenhada em contabilidades de ciência duvidosa, em moralidades perversas e adiamentos persistentes. A Europa está demasiado velha e nem por isso aprende com a sua história. Nem por isso ganhou consciência de que as duas guerras mundiais, que a atravessaram no século passado foram, antes de tudo, duas guerras civis europeias. A vitalidade democrática, económica e social que se foi construindo no pós-guerra não resultou do levantamento de muralhas. A cortina de ferro foi apenas sinónimo de miséria e opressão. Esta Europa de vistas curtas multiplica muros e arame farpado, mesmo no seu interior. Assiste impávida a Estados membros que revogam os mais elementares princípios democráticos. A Hungria pôs em causa a independência dos tribunais, do banco central e da comunicação social. Aproxima-se da Rússia de Putin, quer recuperar a pena de morte, move combate aos imigrantes e está a construir um muro na fronteira da Sérvia, que deverá ter mais de 400km.

A nossa Europa está a perder-se. Quanto mais fala em integração política, quanto mais vota por unanimidade, mais levanta fronteiras, mais se perde na contabilidade doméstica e se fica pelos interesses nacionais. Os naufrágios do Mediterrâneo, o arame farpado de Calais e o muro húngaro são a metáfora europeia. Quanto mais se fecha e esquece a sua história menos olhar de futuro tem. Já estivemos mais longe de uma dissolução europeia… Ou do «iliberalismo», de que se orgulha o líder húngaro Viktor Orbán.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.