sicnot

Perfil

Opinião

A noite dos paradoxos

Não há como esconder, o PS é o grande derrotado destas eleições. Por culpa própria, por mérito dos adversários, os socialistas não souberam, ou não puderam, merecer a confiança dos eleitores. Dir-se-á, e é verdade, que o PS melhorou a sua votação relativamente a 2011 (só faltava que não melhorasse…), mas o objetivo não era esse. O objetivo era ganhar: ter mais deputados do que a coligação. E não teve. Nem pouco mais ou menos. Não foi sequer uma vitória «poucochinha», porque não foi vitória. Assim sendo, impõe-se que António Costa se submeta ao veredicto dos socialistas. Porque não costuma virar a cara à luta, deve fazer o mesmo que exigiu a António José Seguro. Ou seja, deve abrir um processo eleitoral no PS que conduza ao (re)legitimação da liderança. A sua declaração será prudente, numa perspetiva pessoal, ao não se demitir no imediato. Mas só terá a ganhar se for ele próprio a desencadear um processo de clarificação interno.

A derrota do PS não esconde também o facto de a coligação Portugal à Frente ter perdido a maioria absoluta com que governou mais de quatro anos. A maioria dos eleitores que foram votar escolheu uma maioria de deputados que não se reconhecem nas ideias da coligação. Os parlamentos governam-se pela lei da maioria, qualquer que seja, não se governam apenas e necessariamente por quem surgiu em primeiro lugar no pelotão. Há uma maioria aritmética de esquerda na Assembleia da República.

A grande questão é se essa maioria é uma maioria política. Para já, não parece. E parece menos quando olhamos para a dificuldade em que o PS está mergulhado. E mesmo quando olhamos para um Partido Comunista que se viu alcançado pelo Bloco de Esquerda e que não recuará no seu voto de protesto. O Bloco não ganhou as eleições, mas foi o grande vencedor da noite: o melhor resultado de sempre, mais do que duplicou o seu número de deputados.

Bastou ouvir as declarações do BE e do PCP para se perceberem os cadernos reivindicativos para um entendimento com o PS. O do Bloco mais suave, o do PCP igual a si próprio. Em qualquer caso, dificilmente o tratado orçamental, por mais inteligentes que sejam as suas interpretações, poderá compatibilizar um entendimento sustentável à esquerda. Ou seja, um Parlamento de esquerda dificilmente gerará um governo de esquerda. O que vem aí é uma enorme necessidade de compromisso.

Para esse compromisso é precisa clareza. No PS, por enquanto, depois desta derrota dificilmente tudo ficará na mesma. António Costa só poderá ser levado a sério se se relegitimar. PSD e CDS já perceberam que o seu próximo governo precisa de ser mais político, mais combativo, mais dialogante. Parece paradoxal, mas não tem de ser.

  • Circulação retomada na A23, mais de 1.600 operacionais no combate às chamas

    País

    A circulação rodoviária na A23 foi completamente restabelecida ao início da manhã depois de ter estado cortada por causa dos incêndios que, no total, mobilizam mais de 1.600 operacionais e contam com reforço espanhol. Nos vários fogos que atingem o país estão 1.648 operacionais no terreno, apoiados por mais de 500 viaturas e 15 meios aéreos.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.