sicnot

Perfil

Luís Costa Ribas

Opinião

Luís Costa Ribas

Correspondente SIC

Opinião

Correspondente SIC em Washington

Opinião

O divisionista que pretende unir?

Luís Costa Ribas

Luís Costa Ribas

Correspondente SIC

Correspondente SIC em Washington

Donald Trump sobe esta madrugada ao palco da convenção republicana em Cleveland com o desafio de fazer numa noite o que não conseguiu fazer numa semana: unir o partido em redor da sua candidatura à Casa Branca.

A maior dificuldade reside, logo, no facto de Trump e o seu candidato a vice-presidente, Mike Pence, discordarem em várias questões centrais à sua campanha como:

  • - compromissos internacionais dos EUA (Trump contra a NATO; Pence a favor);
  • - Guerra do Iraque (Trump foi a favor, agora é contra; Pence foi sempre a favor):
  • - acordos internacionais de comércio (Trump contra; Pence a favor);
  • - direitos dos homossexuais (Trump mais conciliatório; Pence totalmente contra).

© Jonathan Ernst / Reuters

Como unir o partido, se os candidatos são politicamente desavindos?

Pence foi escolhido para tentar manter ao candidato republicano, os conservadores que desconfiam da sua consistência ideológica. Ele representa a ala conservadora do partido mais próxima de Ted Cruz, o senador do Texas e rival de Trump, cujo discurso divisionista deixou a convenção a ferver na noite de quarta-feira. Ted Cruz subiu ao palco, falou durante 20 minutos mas não apelou ao voto em Donald Trump. Quando, no final da sua alocução, exortou a audiência a votar de acordo com a sua consciência, foi apupado e vaiado. No regresso ao camarote onde assistia à convenção, foi insultado por outros convidados e um deles tentou agredi-lo. A sua mulher, que assistia ao discurso entre os delegados, foi ameaçada e abandonou o local sob escolta de um delegado de Virginia e da policia.

Os incidentes são resultado de meses de primárias marcadas por insultos entre Cruz e Trump. Trump insultou repetidamente Cruz e a sua família - sobretudo a mulher e o pai - e Cruz respondeu chamando a Trump um “cobarde ranhoso” e um “mentiroso patológico”. Mas também resultam da ambição de Cruz: se Trump for derrotado por Hillary Clinton, Cruz quer ser o considerado candidato óbvio de 2020. Para ele, uma vitória de Clinton será maná do deserto, porque se Trump vencer, Cruz está politicamente acabado.

Mas a questão mais imediata é a de um candidato à procura de uma vitória, sem uma aparente estratégia para além de hostilizar os diversos eleitorados de que precisa. As sondagens não dão a Trump a maioria nas eleições de Novembro e para vencer precisa de dilatar o seu eleitorado. Por enquanto ainda não o fez.

A convenção foi marcada por distrações e desunião - o que os dirigentes do partido não queriam, mas não parece incomodar Trump. Ele, que sempre foi um divisionista, disse várias vezes que não precisa de estender a mão a nenhuma facção do partido, porque pode vencer sozinho. Vencer sozinho. É esse o seu desafio para esta noite e as próximas 15 semanas. Para já, a desejada unidade do Partido Republicano em torno do seu candidato presidencial continua a ser coisa fugidia.

  • Portugal vai fechar fronteiras durante a visita do Papa

    País

    O Conselho de Ministros aprovou hoje a reposição temporária do controlo de fronteiras durante a visita do papa Francisco em maio a Fátima. A reposição do controlo de fronteiras decorrerá entre 00:00 de 10 de maio e as 00:00 de 14 de maio.

  • Descoberta nova espécie de tiranossauro

    Mundo

    Uma nova espécie de dinossauros predadores, um tiranossauro com uma forma incomum de evolução, foi descoberta por uma equipa internacional de cientistas, segundo um artigo científico hoje publicado pela revista Nature.

  • Juncker reprova com ironia apoio de Trump

    Brexit

    O Presidente da Comissão Europeia disse hoje com ironia que promoverá a independência do Ohio ou de Austin, no Texas, em relação aos Estados Unidos se o presidente Donald Trump continuar a incitar países europeu a seguirem o Brexit.

  • "Civis devem ser prioridade absoluta no Iraque", diz Guterres

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, chegou hoje ao Iraque para abordar a situação da ajuda humanitária, e pediu que a proteção dos civis seja a "prioridade absoluta" à medida que as forças iraquianas batalham para retomar Mossul.

  • Fomos conhecer o novo Samsung S8
    1:42