sicnot

Perfil

Luís Costa Ribas

Opinião

Luís Costa Ribas

Correspondente SIC nos Estados Unidos

Opinião

O divisionista que pretende unir?

Luís Costa Ribas

Luís Costa Ribas

Correspondente SIC nos Estados Unidos

Donald Trump sobe esta madrugada ao palco da convenção republicana em Cleveland com o desafio de fazer numa noite o que não conseguiu fazer numa semana: unir o partido em redor da sua candidatura à Casa Branca.

A maior dificuldade reside, logo, no facto de Trump e o seu candidato a vice-presidente, Mike Pence, discordarem em várias questões centrais à sua campanha como:

  • - compromissos internacionais dos EUA (Trump contra a NATO; Pence a favor);
  • - Guerra do Iraque (Trump foi a favor, agora é contra; Pence foi sempre a favor):
  • - acordos internacionais de comércio (Trump contra; Pence a favor);
  • - direitos dos homossexuais (Trump mais conciliatório; Pence totalmente contra).

© Jonathan Ernst / Reuters

Como unir o partido, se os candidatos são politicamente desavindos?

Pence foi escolhido para tentar manter ao candidato republicano, os conservadores que desconfiam da sua consistência ideológica. Ele representa a ala conservadora do partido mais próxima de Ted Cruz, o senador do Texas e rival de Trump, cujo discurso divisionista deixou a convenção a ferver na noite de quarta-feira. Ted Cruz subiu ao palco, falou durante 20 minutos mas não apelou ao voto em Donald Trump. Quando, no final da sua alocução, exortou a audiência a votar de acordo com a sua consciência, foi apupado e vaiado. No regresso ao camarote onde assistia à convenção, foi insultado por outros convidados e um deles tentou agredi-lo. A sua mulher, que assistia ao discurso entre os delegados, foi ameaçada e abandonou o local sob escolta de um delegado de Virginia e da policia.

Os incidentes são resultado de meses de primárias marcadas por insultos entre Cruz e Trump. Trump insultou repetidamente Cruz e a sua família - sobretudo a mulher e o pai - e Cruz respondeu chamando a Trump um “cobarde ranhoso” e um “mentiroso patológico”. Mas também resultam da ambição de Cruz: se Trump for derrotado por Hillary Clinton, Cruz quer ser o considerado candidato óbvio de 2020. Para ele, uma vitória de Clinton será maná do deserto, porque se Trump vencer, Cruz está politicamente acabado.

Mas a questão mais imediata é a de um candidato à procura de uma vitória, sem uma aparente estratégia para além de hostilizar os diversos eleitorados de que precisa. As sondagens não dão a Trump a maioria nas eleições de Novembro e para vencer precisa de dilatar o seu eleitorado. Por enquanto ainda não o fez.

A convenção foi marcada por distrações e desunião - o que os dirigentes do partido não queriam, mas não parece incomodar Trump. Ele, que sempre foi um divisionista, disse várias vezes que não precisa de estender a mão a nenhuma facção do partido, porque pode vencer sozinho. Vencer sozinho. É esse o seu desafio para esta noite e as próximas 15 semanas. Para já, a desejada unidade do Partido Republicano em torno do seu candidato presidencial continua a ser coisa fugidia.

  • Explosão em restaurante no Canadá causa pelo menos 15 feridos, 3 graves
    0:56

    Mundo

    Pelo menos 15 pessoas ficaram feridas numa explosão em Mississauga, Ontário, no Canadá. Três vítimas estão em estado grave. Os feridos foram levados para vários hospitais da zona. De acordo com as autoridades, a explosão foi causada por dois homens, com cerca de 20 anos, num restaurante indiano, que fugiram do local depois do ataque. A zona foi evacuada e a polícia está a investigar o caso.

    Em atualização

  • Congresso do PS começa hoje na Batalha

    País

    O 22.º Congresso do PS começa hoje, na Batalha, distrito de Leiria, e durante o qual o secretário-geral, António Costa, deverá defender uma linha de continuidade estratégica, procurando, em simultâneo, projetar desafios estruturais que se colocam ao país.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • Juiz impede acesso a informações bancárias e e-mails de António Mexia
    1:50

    País

    No inquérito crime que investiga a EDP, continua um braço de ferro entre o Ministério Público e o juiz de instrução. O magistrado voltou a negar o acesso a informações bancárias e a e-mails de António Mexia, que constavam dos processos da Operação Marquês e do universo Espírito Santo.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC