sicnot

Perfil

Luís Costa Ribas

Opinião

Luís Costa Ribas

Correspondente SIC

Opinião

Democratas arrasam Trump e Obama eleva Hillary

Luís Costa Ribas

Luís Costa Ribas

Correspondente SIC

"Não conheço a América de Trump, de ressentimento e ódio. Vejo americanos de todos os partidos, de todas as origens, de todas as fés, que acreditam que juntos somos mais fortes, jurando fidelidade, sob a mesma bandeira orgulhosa, a este grande país, arrojado que amamos. Essa é a América que eu conheço."

Há quatro anos, em Charlotte, Bill Clinton proferiu um discurso notável que ajudou a reorientar e solidificar a lógica para a reeleição de Barack Obama. No que foi uma dos seus discursos mais relevantes, Clinton explicou todas as razóes porque os americanos deviam votar em Obama e mantê-lo mais quatro anos na Casa Branca. Funcionou.

O favor não foi esquecido. E na noite passada, um Obama inspirado veio em defesa de outro Clinton. Hillary a candidata presidencial: “Nunca houve um homem ou uma mulher, nem eu, nem Bill (Clinton), mais qualificado para ser dos Estados Unidos”.

Prometendo aos “demagogos da casa” o fracasso dos seus intentos, Obama sublinhou os valores americanos que o candidato republicano Donald Trump maltrata mas que, na sua opinião, são vividos e respeitados por Hillary Clinton. Defendendo o seu legado, o Presidente disse que a “América que eu conheço tem coragem, optimismo, criatividade, generosidade e decência”, muito longe da visão Trumpiana de um “país pessimista e sem soluções” que os republicanos na sua convenção exortam ao “ressentimento, culpabilização, irritação e ódio”.

"Eu vejo americanos de todos os partidos, de todas as origens, de todas as fés que acreditam que juntos somos mais fortes - negros, brancos, hispânicos, asiáticos, nativos americanos, jovens e velhos, homossexuais, heterossexuais, homens, mulheres, pessoas com deficiência -, todos jurando fidelidade, sob a mesma bandeira orgulhosa, a este país grande, arrojado que amamos. Essa é a América que eu conheço”.

E para a qual pede o apoio dos eleitores às liderança de Hillary Clinton. Uma Hillary que “nunca desiste”, que “sabe ouvir”, que respeita a todos, que tem “o temperamento e a experiência” para combater o terrorismo e os excessos da Wall Street. Uma pessoa e, quem se pode confiar.

Obama apontou o dedo a Trump, acusando-o de se “aconchegar com Putin” ao mesmo tempo que faz comentários pejorativos sobre as forças armadas americanas. “A América é grande, a América é forte, e para o ser não depende de Donald Trump”. Acusando Trump de querer vencer amedrontado as pessoas, Obama diz que os americanos não são um povo assustadiço e frágil: "Essa é outra aposta que Donald Trump vai perder. O nosso poder não vem de nenhum auto-proclamado salvador, prometendo que só ele pode restaurar a ordem. Nós não estamos à espera de ser súbditos”.

"Esta noite, peço-vos para fazerem por Hillary Clinton o que fizeram por mim. Peço-lhes que a ajudem da mesma forma que me ajudaram. Porque era de vocês que eu falava quando há 12 anos atrás, falei sobre a esperança – foram vocês que alimentaram a minha fé obstinada em nosso futuro, mesmo quando as hipóteses são poucas e mesmo quando o caminho é longo. Esperança face às dificuldades, esperança face à incerteza, a audácia da esperança”, implorou Obama, que vê na eleição de Hillary a defesa do seu legado presidencial.

Foi uma noite memorável para os democratas, com os ataques mais concertados, certeiros e intensos a Donald Trump. Num claro contraste com a convenção republicana, nomes importantes do Partido Democrático, tal como tinham feito segunda e terça-feira, apresentaram Hillary Clinton como uma escolha preparada e sensata para a Presidência, em oposição à imprevisibilidade irracional de Donald Trump, mais uma vez exposta no convite à Rússia para espiar redes informáticas americanas -censurada até pelo seu próprio candidato a vice-presidente, Mike Pence: “têm de haver consequências graves se a Rússia está a interferir no processo eleitoral dos EUA. Ambos os partidos e o Governo dos EUA devem assegurar que (o hacking) terá graves consequências”, disse, criticando Trump.

Também o líder republicano na Câmara dos Representantes, através do seu porta-voz, fez saber que “a Rússia é uma ameaça global, dirigida por um bandido desonesto. Putin deve manter-se afastado desta eleição”.

Há uma semana, em Cleveland, Donald Trump pôs em causa o artº 5º da carta da NATO que constitui a alma da Aliança, disse que não autorizaria ajuda militar à Ucrânia, admitiu mais recentemente estudar a possibilidade de a anexação da Crimeia ser permanente e aceita ceder a iniciativa à Rússia na Síria. E enquanto apresentava uma política externa de cedências a Moscovo, traçava uma visão apocalíptica da América, afogada em crime, inundada por imigrantes, cercada de terroristas, sufocada por divisões raciais. É uma realidade alternativa, a que ele quer responder com opressão religiosa, victimização dos imigrantes e a promessa de resolver o problema do crime (que está aos níveis mais baixos dos últimos 40 anos) e do terrorismo (uma guerra de mais de uma década, sem soluções mágicas) no dia em que chegar à Casa Branca.

Para o vice-presidente, Joe Biden, visão democrata é a de que o país tem desafios que deve enfrentar com competência e racionalidade - nenhuma das quais existe na postura de Donald Trump. “Não faz ideia o que é a classe média”. Leon Panetta, ex-secretário da Defesa e director da CIA, acusou Trump de “tomar o partido da Rússia”, o que considerou irresponsável e “perigoso para o nosso futuro”. Michael Bloomberg, o bilionário ex-mayor de Nova Iorque descreveu Trump como um “perigoso demagogo”: “Eu sou nova-iorquino. E os nova-iorquinos reconhecem uma vigarice quando a vêem”.

Tim Kaine, candidato democrata à vice-presidência, atacou Trump como uma pessoa em que só se pode confiar por conta e risco de cada um. E lembrou todos os que faliram ou foram despojados das suas poupanças pelas vigarices de Trump: os aposentados a quem ficou com as entradas mas não construiu as casas; os pequenos empreiteiros a quem não pagou as obras de construção do seu casino de mil milhões de dólares, os alunos da chamada Universidade Trump. “O nosso pais é bom demais para ficar nas mãos de um demolidor”.

Mas a confiança não é só um problema de Trump. As sondagens indicam que, para mais de 65% dos eleitores Hillary Clinton é uma pessoa e que não se pode confiar. Para os democratas essa é uma caricatura que esperam desfazer nesta convenção. Para isso, de todos os discursos, o mais importante é o que a própria Hillary Clinton vai proferir, na madrugada de sexta-feira.

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.