sicnot

Perfil

Bernardo Ferrão

Opinião

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

Opinião

Alguém acredita em almoços grátis?

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

Está preparado? Vem ai um novo aumento de impostos. Afinal o Governo que nos prometeu um "virar de página" prepara-se para nos contar a mesma história: "read my lips". E até já tem a narrativa bem estudada: vão-nos dizer que o verdadeiro aumento de impostos foi feito com Vitor Gaspar e que com eles serão os "ricos" a pagar a crise.

O leitor (ou se preferir, o contribuinte) é livre de acreditar no que quiser, mas a verdade é que no fim do dia - e agora vem o chavão - a fatura será paga pelos de sempre: a classe média. O que é isso? Bem, não terá sido por acaso que tenha sido este governo, logo nos primeiros meses, a querer (re)definir esse conceito. E curiosamente quem o fez foi o Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Rocha Andrade. O tal que entretanto soubemos que não recusa uma primeira classe.

Dizia Rocha Andrade, em fevereiro deste ano, "que há uma outra classe média que ganha 900, ou 1000 ou 1.100 euros por mês, em empregos de pessoas que concluíram o liceu e trabalham no comércio, nos serviços e operários industriais". Serão eles as novas vítimas? A verdade é que toda esta gente não sendo rica, vale o suficiente para o Fisco. E num Estado a precisar de dinheiro, numa economia que definha, e sobretudo num modelo económico que fraqueja é urgente encontrar receita.

Tal como num deserto, onde o mais pequeno lago é um oceano, no atual estado do país o bolso dos remediados pode ser visto como uma espécie de porquinho mealheiro. Estamos nas lonas e cada vez mais endividados e essa é a dura realidade. É um facto que as culpas também vêm de trás, mas foram os que lá estão que nos prometeram, à conta do consumo interno, uma viragem na economia. Já deu por ela?

Podem agora tentar disfarçar, argumentando que as negociações para o OE ainda vão no adro, mas já todos percebemos que há mais carga fiscal pronta a sair. E em nome de quê? Da famosa devolução de rendimentos que sustenta a geringonça de esquerda. Tira-se à classe média para dar aos funcionários públicos. Retira-se a sobretaxa mas reajustam-se os escalões em nome de uma "progressividade" que porá a pagar mais os que já pagam muito. Não nos venham dizer que não há aumentos de impostos. Há e será "brutal" se for aplicado aos que já não ganham muito e vão passar a ganhar menos. Nas contas que vão sendo avançadas na comunicação social as alterações ao IRS vão afetar mais 370 mil pessoas.

E o que diz a esquerda sobre tudo isto? Pede mais. Mais aumentos nas pensões, mais salário mínimo, mais devoluções de rendimentos. Para BE e PCP o poço não tem fundo. A esquerda está apenas e só preocupada com a sua agenda. São cúmplices e silenciosos. Agora já não condenam aumentos de impostos, já os aumentaram no anterior Orçamento e vão voltar a fazê-lo.

Quem acreditou no "mundo perfeito" da geringonça talvez comece a perceber que de facto não há mesmo almoços grátis. Bruxelas acaba sempre por mandar a conta.

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.