sicnot

Perfil

Bernardo Ferrão

Opinião

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

Opinião

Mário Sem Tento

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

Paulo Portas costuma contar uma história sobre os anos de brasa da troika. Em julho de 2011, tinha acabado de chegar ao seu novo gabinete no Palácio das Laranjeiras quando ouviu pela televisão a frase que iria moldar muita da sua ação, e que se tornou num mantra.

Na tv, o então MNE ouvia Barack Obama responder sobre as finanças norte-americanas. Nessa altura, duas das maiores agências de rating ameaçavam os EUA com um downgrade. Mas Obama contra-argumentava: “Ao contrário do que as pessoas dizem, nos não somos a Grécia, nem Portugal”. Portas estremeceu. Naquele momento percebeu que Portugal entrara num filme ainda mais perigoso. Além de toda a carga negativa que chegara com a troika, ainda estávamos a ser colocados no mesmo saco da Grécia.

“Nós não somos a Grécia”, lembram-se?

Nesses anos do “ir além da troika” cometeram-me muitos erros - até o FMI reconhece agora que avaliou mal a crise portuguesa. A perda de rendimentos foi brutal. A sociedade fraturou-se de forma violenta. As reformas prometidas para o Estado nunca se fizeram. E a banca tornou-se, como estamos todos a perceber, numa perigosa bola de neve.

Apesar desta pesada herança, a direita insiste que uma das grandes conquistas da sua ação governativa passou pelo recuperar da confiança. E que a saída limpa foi o corolário do “reerguer” da nação que voltava aos mercados depois da quase bancarrota. É verdade que não nos tornámos na Irlanda, mas conseguimos (?) saltar do filme grego em que Obama, e o mundo, nos colocaram.

O problema é o caminho que temos trilhado nos últimos meses. Foi a novela do draft do OE no início do ano, foram as reversões, as sanções e as ameaças aos fundos comunitários. Mas tem sido sobretudo a má performance económica e a escalada da dívida e dos juros, associadas às exigências sem descanso da esquerda, que puseram (outra vez!) Portugal no radar internacional. E quem o diz é imprensa internacional especializada – podem não concordar com o que eles escrevem, mas as dúvidas e as interrogações estão estampadas. Preto no branco (esta semana, o Bruno Faria Lopes fez no Negócios o levantamento desses títulos).

E como se não bastasse toda esta atenção que de facto dispensávamos, o ministro das Finanças, logo ele, deu o flanco. Como pode o ministro dizer que a sua “principal tarefa” é evitar um segundo resgate? Mas há algum resgate em cima da mesa?

Sinceramente não percebo como é que Mário Centeno caiu naquela armadilha. Ainda para mais quando a própria agência Moody’s já veio esclarecer que o risco de Portugal precisar de um segundo resgate “é baixo” e que a posição de financiamento do país é “muito confortável”. Se é assim, que raio de “principal tarefa” é essa sr. ministro? Impedir um segundo resgate?

O facto é este: a Moody’s fez mais pela confiança do país do que o próprio Mário Centeno.

Um ministro das Finanças tem de estar preparado para aquelas perguntas. Se bem se lembram, ainda há poucos meses, num episódio estranho de diz-que-disse-mas-não-disse, Schauble também juntou “Portugal” e “novo resgate” na mesma frase. Mas nessa altura as Finanças foram lestas a desmentir o alemão dizendo que “não estava em consideração qualquer novo plano de ajuda financeira a Portugal”. Porque não fez o mesmo agora?

Se a pergunta da jornalista foi má, pior foi aselhice de Centeno. Já tínhamos todos percebido que os ventos não correm de feição no ministério do Terreiro do Paço, infelizmente ficámos com mais uma certeza.

  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • #SICnaCampanha

    Autárquicas 2017

    As caravanas estão na estrada e os repórteres da SIC também. Acompanhe aqui os bastidores das autárquicas.

    Live blog

  • PSD não está a lutar "pela sobrevivência" em Lisboa
    3:29

    Autárquicas 2017

    Mais uma volta de norte a sul do país com a campanha dos líderes políticos para as próximas autárquicas. Ainda não acabou a guerra Bloco de Esquerda-CDU. A secretária-geral adjunta do PS bem se esforça, mas não consegue apoio nas ruas como António Costa. Pedro Passos Coelho voltou a aparecer ao lado de Teresa Leal Coelho, mas não quis comentar prováveis resultados na capital.

  • PCP e PS desvalorizam estudo de economistas com alternativa à do Governo
    1:09

    Orçamento do Estado 2018

    Um grupo de economistas, incluindo o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira, publicou um estudo em que defende uma proposta alternativa à apresentada pelo Governo. O PCP e o PS desvalorizaram a opinião dos economistas e o Bloco de Esquerda disse que a consolidação orçamental poderia ser mais lenta. Já o PSD e o CDS aplaudem a proposta e defendem que o estudo apresentado é um aviso ao desnorte do Governo. 

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC