sicnot

Perfil

Bernardo Ferrão

Opinião

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

Opinião

O Orçamento que traz (mais) défice de oposição

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

Se em 2015 tivemos o Orçamento dos funcionários públicos, em 2016 teremos o dos pensionistas. O aumento decretado pelo governo para as pensões no próximo ano é uma medida que repõe melhores condições de vida e que, por isso, dificilmente pode ser criticada. Só se for pela confusão com as pensões mínimas que afinal – cerca de 250 mil - também vão ter um aumento extraordinário em agosto.

Com este aumento aos pensionistas, António Costa e os seus companheiros das esquerdas somam pontos junto de mais um importante setor da sociedade. Depois dos funcionários públicos - que para o ano também têm mais subsídio de refeição -, agora são os pensionistas a levar a melhor, até os mais abonados que se livram (finalmente) da CES.

Mas há mais. No início do próximo ano, o país terá a confirmação oficial de que o défice ficou pela primeira vez bem abaixo dos 3% - segundo as previsões 2016 termina com 2,4% e em 2017 fica nos 1,6%. É fácil antecipar o que tudo isto vai render no discurso do Governo. E na atitude que António Costa terá perante Bruxelas. A pressão passará a ser outra: de cá para lá. É verdade que ainda temos um "problemazinho" chamado dívida, mas até nisso os bons resultados do défice serão uma importante cartada no jogo com a Europa e com os mercados.

Ora tudo isto, mais o aliviar faseado da sobretaxa, acontece em ano de eleições autárquicas. Sim, não há coincidências. Há, sim, problemas acrescidos para a oposição. Sobretudo para Passos Coelho a quem Marcelo ainda esta semana pedia "clareza na alternativa". É verdade que Passos precisa de tempo (como aliás precisam todos, da direita à esquerda) e que não pode andar a mudar ao sabor dos remoques de Costa e da voracidade dos media. Mas parece evidente que o líder do PSD não terá vida fácil em 2016. Com tantas “benesses” governamentais, Passos precisa de corrigir o seu défice de oposição.

Este Orçamento mostra como o primeiro-ministro está a conseguir “controlar” todas as frentes. Bruxelas e os mercados podem estrebuchar, mas as metas serão cumpridas. E ao mesmo tempo, Costa pôs o PCP e o BE a alinharem no cumprimento do tratado orçamental. Catarina Martins e Jerónimo de Sousa dirão agora que este não é um OE de esquerda e que o primeiro-ministro falha em não afrontar a Europa, mas essa é a lengalenga habitual que serve apenas para consumo interno dos seus partidos. As assinaturas das esquerdas estão lá. Catarina e Jerónimo não tinham, nem têm, alternativa.

Mas há um ‘se’ que se mantém. Um enorme ‘se’ que se prende com o comportamento da economia. É verdade que as previsões para o próximo ano são agora bem mais realistas, mas a chave da continuidade da governação, e da sobrevivência da coligação, está no andamento da economia. Se as coisas não melhorarem de facto, a estratégia de Costa fica em causa. A superação económica, que tarda em acontecer, tornou-se a verdadeira cola da geringonça.

É aqui que está o “diabo” que passou pelo discurso de Passos Coelho. E é nesta tecla que o líder do PSD deve apostar. Reinventando mas não transfigurando o seu discurso. Mantendo a coerência mas não caindo na repetição de uma mensagem que, como mostrava a sondagem SIC/Expresso, cativa agora menos portugueses. Já todos sabemos que este é um Orçamento de vista curtas, com tiques pré-eleitorais, de navegação à vista e sem uma estratégia de longo prazo. Também já sabemos o que Passos pensa de tudo isto, mas o que ainda não sabemos é o que é que o líder do PSD propõe de diferente.

Se o caminho é estreito para todos, para o ex-PM também o é. O PSD pode continuar a criticar os muitos impostos, ou a promessa falhada na sobretaxa ou ainda a confusão com o aumento das pensões mínimas, mas sabe que está escaldado pelo que fez quando esteve no governo. E sabe também que o clima que se vive no país, mesmo que o considere sem sustentação real, é de paz social. O país pode não estar melhor, mas as pessoas sentem-no melhor. Vivem-no melhor. Se Passos não perceber isto, não conseguirá encontrar um rumo para o seu partido. Costa apostou forte no próximo ano. E Passos, qual é o seu trunfo? Em vez de se distanciar, talvez seja altura de se integrar. A palavra consenso é muito forte, sobretudo tendo em conta as profundas divisões entre os partidos. Mas dar um passo para o diálogo, em matérias muito concretas como a Justiça ou outras, já seria um passo em frente. Nem que seja para sair do casulo e surpreender quem já nada espera dele.

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.