sicnot

Perfil

Opinião

"O Estado está a pagar uma parte do aumento do salário mínimo para o setor privado"

"O Estado está a pagar uma parte do aumento do salário mínimo para o setor privado"

José Gomes Ferreira

José Gomes Ferreira

Diretor-Adjunto de Informação SIC

José Gomes Ferreira fala sobre a redução da TSU para as empresas, uma contrapartida para o aumento do salário mínimo para os 557 euros.

José Gomes Ferreira diz que esta medida se pode resumir a uma frase: "o Estado está a pagar uma parte do aumento do salário mínimo para o setor privado".

  • Descida da TSU vai custar 40 milhões à Segurança Social
    1:13

    Economia

    O dinheiro que a Segurança Social vai perder com a descida da TSU para as empresas - dada como contrapartida para a subida do salário mínimo - vai ser pago com dinheiro do Orçamento do Estado. São cerca de 40 milhões de euros. O Bloco de Esquerda e PCP não concordam com a decisão.

  • Descida da TSU será paga pelo Orçamento do Estado

    TSU/PEC

    O acordo para o aumento do salário mínimo prevê que a perda de receita para a Segurança Social com a descida da TSU seja compensada com dinheiro do Orçamento do Estado, noticia o semanário Expresso. Os partidos da esquerda não concordam.

  • Descida da TSU não serve para subsidiar aumento do salário mínimo
    0:36

    Economia

    Vieira da Silva diz que alguns comentadores deram a entender que quem vai pagar o aumento do salário mínimo são os contribuintes. Numa conferência do jornal online ECO, o ministro do Trabalho disse hoje que a descida da TSU não serve para subsidiar o aumento do salário mínimo e afirma que os valores em causa são relativamente pequenos.

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.