sicnot

Perfil

Ricardo Costa

Opinião

Ricardo Costa

Diretor de Informação

Opinião

Abstenção recorde em França. Olha quem fala

© Eric Gaillard / Reuters

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação

As eleições francesas que deram uma vitória clara a Emmanuel Macron ficaram marcadas por uma taxa de abstenção pouco habitual, cerca de 26%. Nas últimas presidenciais tinha ficado em 19,7% e cinco anos antes em 16%. Mas quem são os portugueses para comentar isto? Alguém se lembra de quantos votaram nas últimas eleições? Nós recordamos

Marcelo Rebelo de Sousa é um Presidente da República com uma elevadíssima taxa de popularidade. Disso ninguém duvida. Nem disso, nem da sua legitimidade política. Mas alguém se lembra de quantos portugueses votaram nas últimas presidenciais? Pois, a resposta não é muito simpática: 51,3%. Quase 49% dos eleitores ficaram em casa na escolha do sucessor de Cavaco Silva.

A nossa taxa de abstenção em Presidenciais é muito elevada e tem tido uma progressão quase imparável:

  • Vitória de Marcelo Rebelo de Sousa - abstenção de 51,3%
  • Reeleição de Cavaco Silva - taxa de abstenção de 53,5%
  • Eleição de Cavaco Silva - não votaram 38,5%
  • Reeleição de Jorge Sampaio - a abstenção chegou pela primeira vez aos 50%
  • Eleição de Jorge Sampaio contra Cavaco Silva - 33,6%
  • Reeleição de Mário Soares - 38%
  • Soares ganha a Freitas do Amaral - 21,8
  • Reeleição de Ramalho Eanes contra Soares Carneiro - 15,8%
  • Eleição de Ramalho Eanes - taxa de abstenção de 24,6%

Em França, as coisas são bem diferentes. Há uma longa tradição de participações elevadas nas presidenciais. Basta olhar para este tweet para se perceber porque é que a abstenção foi tão discutida esta tarde.

Sete pontos a mais de abstenção de uma eleição para a outra é um salto grande, mas ainda assim muito longe do que acontece em grande parte das democracias. Em Portugal, por exemplo, nem vale a pena falar das europeias onde já batemos os 60% de abstenção (!). Mesmo nas legislativas, temos pouco para mostrar ao resto do mundo. Em 2011, quando a troika tinha acabado de chegar, não foram votar 41,9% dos eleitores. Quatro anos depois, em 2015, o número subiu para os 44,1%...

  • Prosseguem buscas por condutor da carrinha no ataque em Barcelona
    2:38