sicnot

Perfil

Bernardo Ferrão

Opinião

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

Opinião

A “história simples” de António Costa para as eleições

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

Quem ganha politicamente com os números do crescimento? Pedro Passos Coelho que sempre apontou para um modelo assente nas exportações e no investimento? Ou António Costa que, apesar de ter corrigido a estratégia, consegue um brilharete na sua ação executiva? As opiniões, como sempre, dividem-se. Mas parece-me evidente que Costa reforça a liderança, ganha discurso e mostra resultados. A confiança (e não só) tem destes milagres.

Por esta hora, sucedem-se os alertas no meu telemóvel. As redações vão libertando artigos online com as várias leituras dos números divulgados pelo INE. Uns falam do contributo da Auto-Europa, outros do impacto dos fundos europeus, outros do falhanço do Governo por ter alcançado este resultado com a receita do governo de Passos. Tudo isto pode ser lido no valor hoje conhecido, mas este é o facto: o país conseguiu o melhor resultado do PIB em 10 anos. 2,8%. É obra. E ficará com a assinatura de António Costa.

Passos Coelho virá a publicar reclamar créditos passados. E fá-lo-á com a sua razão. Este crescimento não nasceu agora. Houve um caminho feito pelo Governo da PAF e é preciso não esquecer as reformas de então que foram decisivas – se outras tivessem prosseguido, os resultados dos trimestres anteriores podiam ter sido mais generosos. Mas o que o PSD não percebe (ou parece não querer perceber) é o impacto de uma palavra simples: confiança.

O que faltou, por razões óbvias no governo anterior, cresce a olhos vistos nesta altura.

Nas últimas legislativas a direita encontrou na “saída limpa” a história simples que precisava para ganhar as eleições. Agora, com Marcelo a ajudar, é a vez de Costa mostrar a sua. O que parecia impossível foi feito: o Governo das esquerdas, de quem se dizia que só ia assustar os investidores e a Europa, afinal conseguiu o défice mais baixo da democracia e o melhor resultado do PIB em 10 anos. Como se isto não bastasse, a reforçar-lhe a liderança, do outro lado da barricada, o primeiro-ministro tem um PSD que andou frouxo na pontaria e demasiado colado a um passado de culpas e sacrifícios.

É verdade que Governo teve mudar de estratégia – este não era o modelo económico original – mas é também verdade que o fez ao mesmo tempo que se ia impondo como a “geringonça” das reposições e reversões. Ou seja, mostrando ao país que afinal a narrativa dos caminhos únicos tem muito que se lhe diga. Mais: Costa fez tudo isto com um orçamento de austeridade (as esquerdas limita-se a assinar por baixo) traduzido em brutais cortes na despesa do Estado – veja-se o que se passa na Saúde e na Educação - e com um fraco investimento público. Ou seja, nem a receita “à Passos” o fragilizou.

No jogo político, e na vida das pessoas, as perceções contam muito. Mas agora é mais do que isso. Há resultados. E estão a chegar às pessoas. Nos estudos de opinião o PSD surge em queda continuada. É verdade que as sondagens são o que são, sobretudo a esta distância das eleições, mas sabemos do impacto que vão tendo junto das bases partidárias. O PSD não está em boa forma e muito por causa do seu líder que, com toda a sua coerência, não soube rebater o jogo subliminar de Costa. No sorridente primeiro-ministro houve sempre um subtexto. Costa percebeu que partia de baixo e deixou-se por lá ficar. Quanto mais baixas eram as expectativas mais ganhos seriam acumulados. Foi este o adubo da “geringonça”.

Agora é preciso fazer mais. O crescimento tem e deve estar ao serviço do país e não de um mero ganho eleitoral. Há 10 anos, quando se registou um resultado semelhante, os portugueses também ouviram Sócrates cantar vitória. Mas agora, todos esperamos que seja diferente.

  • Presidente do Conselho Europeu admite divergências com Trump

    Mundo

    O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, admitiu hoje que a reunião mantida em Bruxelas com o presidente norte-americano, Donald Trump, permitiu constatar pontos de concordância em várias áreas, mas também de discordância noutras, como clima, comércio e Rússia."

  • Mourinho volta a conquistar a Europa

    Liga Europa

    O Manchester United conquistou esta quarta-feira a Liga Europa pela primeira vez. Este foi o quarto título europeu para Mourinho, depois das conquistas da Taça UEFA, em 2002/03, e da Liga dos Campeões, em 2003/04 e 2009/10.

  • Mexicana vence ultramaratona a correr de sandálias e de saia

    Desporto

    Uma mexicana venceu uma ultramaratona de 50 quilómetros a correr de saia e sandálias de borracha. María Lorena Ramírez, de 22 anos, não é atleta profissional, nem recebeu treino específico para a Ultra Trail Cerro Rojo, prova que venceu, mas pertence à tribo Tarahumara, com uma longa e invulgar tradição de excelentes corredores.

    SIC

  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36
  • Protestos e violência no Rio de Janeiro
    1:08