sicnot

Perfil

Opinião

Isaltino, um caso excecional que não tem nada de excecional

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Isaltino Morais ganhou Oeiras com maioria absoluta. O regresso do dinossauro marcou a noite eleitoral, por assinalar a eleição de um autarca que já cumpriu pena de prisão efetiva. Tudo isto num concelho com um PIB elevadíssimo e os eleitores com mais habilitações literárias do país. Mas para se perceber o que se passou, não se pode resumir a história a algo como "eleitores de Oeiras elegem ex-presidiário". Isso é não perceber que os eleitores nunca deixaram de votar nele. E que Isaltino nunca saiu de Oeiras.

Para a história da noite eleitoral ficará sempre o caso do ex-autarca, condenado por fraude fiscal e com pena de prisão cumprida, que regressa ao seu concelho para ser eleito de forma esmagadora. E para a história ficará seguramente o caso de nada disto se ter passado num pequeno concelho rural, onde a personalização da política é mais fácil ou as câmaras municipais são empregadores de primeira linha. Pelo contrário, a eleição de um ex-presidiário para a liderança executiva de uma autarquia deu-se num concelho considerado exemplar, muitas vezes apontado como o melhor do país para viver, com o eleitorado com mais habilitações literárias e o salário médio mais elevado de Portugal.

As questões que se levantam são muitas. A mais ouvida, naturalmente, é a de como é que isto é possível? Do ponto de vista legal não há rigorosamente nada a apontar. Isaltino Morais foi condenado por fraude fiscal, cumpriu pena de prisão, pagou a dívida ao fisco e as multas, e tem os seus direitos políticos intactos. Pode votar e ser eleito como qualquer português maior de idade.

Numa primeira fase do processo, o autarca foi condenado por corrupção e isso, além de implicar uma pena muito maior, inibia legalmente uma candidatura futura a cargos políticos. Mas Isaltino recorreu desta condenação e a Justiça deu-lhe razão. Ou seja, apesar de ter sido obrigado a cumprir pena de prisão efetiva por fraude fiscal, Isaltino Morais foi ilibado do crime de corrupção e voltou a estar possibilitado a candidatar-se.

A questão jurídica é, assim, cristalina, apesar de poder provocar espanto ou indignação a muitos portugueses. O ponto é que a lei não prevê - nem faz sentido que preveja - que todo e qualquer tipo de crime implique a impossibilidade futura de candidatura a um cargo político. Esse é um direito constitucional que só pode ser suspenso por razões de força maior. Cumprida a pena de prisão efetiva por fraude fiscal, não há força maior que perdure.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

As questões que se restam são, portanto, políticas e morais. A perspetiva moral é a mais interessante porque nos transporta para os paradoxos da democracia. No fundo, os eleitores não têm qualquer problema em eleger alguém condenado pela Justiça. Confiam nessa pessoa para gerir os destinos do seu município e as finanças do seu concelho. Valorizam mais a obra feita que qualquer sentença judicial. É um dos muitos paradoxos da democracia, mas que só poderá ser devidamente analisado em estudos pós-eleitorais.

Sem sabermos com segurança o que vão dizer esses inquéritos, é legítimo calcular que vão valorizar a competência do autarca e o seu trabalho anterior, e desvalorizar tudo o resto. Além disso, vão entrar por questões valorativas, do género "são todos iguais", "fazem todos o mesmo, mas só este é que foi apanhado", "este ao menos esteve preso", "confio mais nele que nos partidos", etc, etc, etc.

A verdade é que a única razão que podia ter impedido Isaltino Morais de ser eleito era moral. Teria sido necessário que os eleitores - uma massa imensa e não uniforme - colocassem questões de princípio morais acima de qualquer problema prático do seu concelho. Porque as candidaturas alternativas não eram, na verdade, alternativas nem traziam nada de muito novo a Oeiras. Para alguém não ganhar eleições, é preciso que outros o façam. E ninguém esteve sequer perto de o tentar.

É assim que chegamos às questões políticas, as últimas e as que explicam que, na verdade, Isaltino Morais nunca deixou de estar nos boletins de voto em Oeiras. Isaltino foi presidente da Câmara décadas, saiu para ministro do Ambiente, voltou como independente em pleno escândalo e ganhou as eleições, nas seguintes foi impedido de concorrer, mas promoveu uma lista com o seu nome e ganhou de novo. Agora, regressou em nome próprio para fechar um ciclo (ou iniciar outro).

Isaltino nunca saiu de Oeiras nem dos boletins de voto e os seus eleitores nunca o abandonaram. Votaram nele quando era do PSD, votaram quando passou a independente em guerra com o PSD, votaram por interpostas pessoas e lista quando foi preso. E votaram agora de novo. E votarão outra vez, enquanto a política de Oeiras for esta e os políticos de Oeiras forem aqueles.

É triste? Embaraçoso? Um pouco ridículo? É tudo isso e muito mais coisas. Mas é também um caso excecional que não tem nada de excecional. É Isaltino e os seus eleitores, uma ligação com décadas e quase indestrutível, que só será quebrada quando ele quiser ou existir uma verdadeira alternativa.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.