Opinião

Salvação para a crise climática?

Al Gore prega o poder redentor das novas tecnologias para resolver a crise climática e tenta recrutar operacionais para a mudança, que diz ser não apenas necessária mas também possível.

As alterações climáticas já eram tema de estudo científico há décadas, mas foi com o acumular de informação e evidências científicas compiladas nos relatórios do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) – organismo criado em 1988 no âmbito da ONU – e com a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, em 1992, que o tema das alterações climáticas passa verdadeiramente para as esferas política e da opinião pública. E se, nos primeiros relatórios, o IPCC considerava a possibilidade da interferência humana no clima global, em 2013 declara que o aumento da temperatura média global é inequívoco e confirma a responsabilidade humana nas alterações climáticas.

Nessa altura, já o antigo vice-presidente dos EUA, Al Gore, tinha feito o documentário "Uma Verdade Inconveniente" (2006). Filme que lhe valeu, em conjunto com o IPCC, o prémio Nobel da Paz. Mas muitos políticos, empresários e cidadãos comuns continuavam a duvidar de que as alterações climáticas estivessem mesmo a ocorrer e que os seres humanos – através da queima de combustíveis fósseis, da desflorestação e da criação de gado, por exemplo ­– estivessem a contribuir ativamente para essas mudanças com a emissão para a atmosfera terrestre de quantidades gigantescas de gases com efeito de estufa, como o dióxido de carbono ou o metano.

Hoje temos o Acordo de Paris (o primeiro acordo verdadeiramente global para lidar com o problema, que entrou em vigor em novembro de 2016, menos de um ano depois de ter sido adotado em dezembro de 2015) e os negacionistas e céticos são em muito menor número, ainda que tenham rostos bem conhecidos e poderosos a nível mundial, como o Presidente dos Estados Unidos, e outras figuras da Administração Trump.

Dez anos depois de fazer o primeiro filme, Al Gore voltou à carga com uma sequela em tom mais otimista e, esta quinta-feira, na Web Summit em Lisboa, mostrou-se confiante de que conseguiremos resolver a crise climática com a ajuda da tecnologia.

O preço de produzir eletricidade através de fontes renováveis baixou e há soluções tecnológicas para iniciarmos a transição energética para uma economia de baixo carbono. Trump anunciou a saída do Acordo de Paris (de que os EUA só poderão sair efetivamente em 2020), mas cidades e Estados norte-americanos mantêm-se firmes no objetivo de reduzir emissões, e o anúncio não arrastou consigo outros países, que se dizem empenhados em conter o aumento da temperatura "muito abaixo de 2ºC" em relação à era pré-industrial.

Mas, na prática, os países industrializados estão muito longe de cumprir as metas com que se comprometeram voluntariamente no âmbito do Acordo de Paris e os combustíveis fósseis ainda dominam os transportes e a produção de eletricidade a nível global.

Na semana passada, a Organização Meteorológica Mundial informou que em 2016 a concentração de dióxido de carbono na atmosfera atingiu 403,3 partes por milhão (ppm), o valor mais alto em 800 mil anos.

A mesma organização informou, no arranque da 23.ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climática na passada segunda-feira em Bona, na Alemanha, que 2017 deverá ser um dos três anos mais quentes desde que há registos, só ultrapassado por 2016, e acima de 2015.

Os avisos sobre os custos astronómicos, não só ambientais mas também económicos e sociais, são cada vez mais insistentes. Além da perda de biodiversidade e da destruição de infraestruturas e economias, as alterações climáticas podem gerar conflitos e deslocação massiva de populações.

Não há por isso razões para excesso de otimismo.

A tecnologia será certamente importante para nos adaptarmos a um clima em mudança e para procurarmos mitigar o problema, através de energias renováveis e processos mais eficientes, mas com mais de 7,5 mil milhões de pessoas na Terra não bastará mudarmos para carros elétricos e andarmos mais de transportes públicos, pormos painéis solares no telhado, termos gadgets para monitorizar o consumo de eletricidade, separarmos os resíduos, e comermos menos carne.

O futuro exigirá que pensemos num novo modelo de desenvolvimento assente numa relação mais equilibrada da sociedade humana com a natureza de que fazemos parte. E muito provavelmente esse modelo terá de partir de princípios radicalmente novos sobre o que é verdadeiramente importante na vida dos seres humanos.

  • Três sportinguistas analisam entrevista de Bruno de Carvalho
    1:29
  • Manuel Pinho não terá declarado dinheiro que recebeu
    2:45

    Economia

    Manuel Pinho não terá declarado ao Tribunal Constitucional o dinheiro que recebeu do chamado saco azul do Grupo Espírito Santo. Esta terça-feira, no Parlamento, o antigo ministro da Economia de José Sócrates foi questionado sobre o assunto mas recusou responder.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • Jovens tailandeses poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo
    2:30

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador resgatados de uma gruta da Tailândia já tiveram alta. Uma semana depois, saíram do hospital e deram uma conferência de imprensa em que se mostraram sorridentes. No entanto, os especialistas advertem que poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo, se forem obrigados recorrentemente a reviver tudo o que passaram.

  • Os portugueses que se cruzaram na vida de Mandela
    2:19
  • Cem anos de Mandela: o legado de um "gigante da História"

    Mundo

    Na história da Humanidade contam-se muito poucas figuras capazes de gerar uma aclamação unânime e global de elogio e agradecimento. Nelson Mandela está nessa lista de eleitos. No dia em que completaria 100 anos, recordamos o legado de "Madiba", um dos maiores impulsionadores da paz que este mundo já conheceu.

    André de Jesus

  • Será este o táxi mais autografado do mundo?
    2:27
  • Quem é a mais recente líder da Sonae?
    2:16
  • Rádio Escuta dá voz aos imigrantes que vivem em Lisboa
    4:02

    País

    Uma rádio comunitária está no ar, por estes dias, no bairro do Intendente, em Lisboa. O projeto é temporário e termina no próximo domingo. Mas até lá, a Rádio Escuta chega a mais de 100 países, pela internet, e dá voz aos imigrantes de diversas origens que vivem em Lisboa.

  • Lisboa vai ser Capital Verde da Europa em 2020
    2:54

    País

    O vereador do Ambiente de Lisboa quer envolver todos os cidadãos, empresas e agentes culturais na Capital Verde da Europa em 2020. Lisboa é a primeira cidade do sul da Europa a conseguir a distinção e, até lá, a Câmara promete um conjunto de investimentos para tornar a capital portuguesa um exemplo na área ambiental. Um deles é a construção de uma central solar.

  • Donald Trump em nova polémica

    Mundo

    O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, fez estalar uma nova polémica ao chamar ao Montenegro um "país muito pequeno" cujos habitantes são "muito agressivos" e por parecer questionar o princípio da defesa mútua dentro da NATO.

  • Urso apanhado na piscina de moradia de luxo na Califórnia
    1:35