sicnot

Perfil

Opinião

A indústria da solidariedade

As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

Podem, e devem, funcionar como empresas, do ponto de vista da gestão profissional.

Não podem, nem devem, funcionar como coutadas, quintas, propriedade dos seus dirigentes que, em muitos casos, se confundem com as instituições.

E, claro, quando se chega a esse ponto, os dirigentes tornam-se "patrões" da tal empresa, da tal indústria, e acabam a subverter a ideia de "sem fins lucrativos", que preside – devia pelo menos – à génese da coisa.

Segundo esta lógica, e apesar dos salários da solidariedade estarem tabelados, os dirigentes que se tornam patrões de instituições que se tornam industrias ou empresas, comportam-se como tal.

Geram o dinheiro dos donativos, dos apoios públicos e dos sócios como se fosse seu.

Como se a "empresa" que gerem tivesse sido criada para gerar lucro e não para acudir a necessidades das populações.

Custa ver.

Custa perceber como o que começa por ser um projecto meritório, arrancado a ferros e com alto valor solidário e social se torna numa imundície.

E, sim, vem a propósito das raríssimas, mas podia ser de outra coisa qualquer: uma federação desportiva (vi números assustadores de algumas por estes dias), os órgãos sociais de uma qualquer Ordem profissional e outros, tantos outros exemplos do que a sociedade civil cria e depois suga.

A solidariedade e o voluntariado dão muito dinheiro.

Sobretudo quando em nome da solidariedade e do voluntariado se fazem fortunas.

Sempre, claro, "sem fins lucrativos".

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.