sicnot

Perfil

Opinião

A indústria da solidariedade

As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

Podem, e devem, funcionar como empresas, do ponto de vista da gestão profissional.

Não podem, nem devem, funcionar como coutadas, quintas, propriedade dos seus dirigentes que, em muitos casos, se confundem com as instituições.

E, claro, quando se chega a esse ponto, os dirigentes tornam-se "patrões" da tal empresa, da tal indústria, e acabam a subverter a ideia de "sem fins lucrativos", que preside – devia pelo menos – à génese da coisa.

Segundo esta lógica, e apesar dos salários da solidariedade estarem tabelados, os dirigentes que se tornam patrões de instituições que se tornam industrias ou empresas, comportam-se como tal.

Geram o dinheiro dos donativos, dos apoios públicos e dos sócios como se fosse seu.

Como se a "empresa" que gerem tivesse sido criada para gerar lucro e não para acudir a necessidades das populações.

Custa ver.

Custa perceber como o que começa por ser um projecto meritório, arrancado a ferros e com alto valor solidário e social se torna numa imundície.

E, sim, vem a propósito das raríssimas, mas podia ser de outra coisa qualquer: uma federação desportiva (vi números assustadores de algumas por estes dias), os órgãos sociais de uma qualquer Ordem profissional e outros, tantos outros exemplos do que a sociedade civil cria e depois suga.

A solidariedade e o voluntariado dão muito dinheiro.

Sobretudo quando em nome da solidariedade e do voluntariado se fazem fortunas.

Sempre, claro, "sem fins lucrativos".

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38