sicnot

Perfil

Anselmo Crespo

Costa, o habilidoso

Anselmo Crespo

Anselmo Crespo

Editor de Política SIC

Eu subestimei António Costa. Tenho que confessar. Reconhecia-lhe uma enorme capacidade política mas, ainda assim, subestimei-o. E tenho a certeza que não fui o único. Vamos saltar todo o percurso até chegar a primeiro-ministro. Uma parte da história já está contada. A outra fica para contar mais tarde. Basta-me o que se passou entre o final da semana passada e o início desta semana.

O episódio dificilmente se explica a uma criança de 5 anos, mas eu vou tentar.

O Orçamento do Estado para este ano tinha dois artigos que resultavam de compromissos internacionais assumidos pelo Estado Português, muito antes de António Costa ser primeiro-ministro. Um implicava ajuda financeira à Grécia, o outro, ajuda financeira à Turquia.

Ora, estes dois artigos corriam o risco de serem chumbados. Porquê? Porque o PCP e o BE não concordam com estes compromissos e iam votar contra. É estranho que o Bloco não concorde em ajudar a Grécia que é governada pelo Syriza e que o PCP não concorde que é preciso ajudar a Turquia a lidar com o drama dos refugiados, mas é o que é.

O problema é que, sem o voto do PCP e do BE, António Costa precisava, pelo menos, da abstenção do PSD. Fácil. Se foi o próprio Passos Coelho a assumir estes compromissos internacionais, fazia sentido que votasse favoravelmente. Errado. O PSD tinha decidido votar contra todos os artigos do Orçamento do Estado e abster-se nas propostas de alteração. Se seguisse esta regra estes dois artigos eram chumbados e Portugal ia faltar com a palavra dada pelo próprio... Passos Coelho. A incoerência, em si mesma, devia ter sido suficiente para o PSD dar o assunto por terminado e deixar passar os dois artigos, mas não foi.

António Costa foi obrigado a puxar pela criatividade. Pegou na regra criada pelo próprio Passos Coelho e usou-a contra ele. Reformulou os dois artigos e voltou a apresentá-los como propostas de alteração. Depois foi só esperar que, desta vez, o PSD fosse coerente. Deu-se bem. Os dois artigos foram aprovados com os votos a favor do PS e com abstenção do PSD. O CDS absteve-se no caso da Grécia e votou a favor no caso da Turquia.

Chapeau. De uma assentada António Costa ultrapassou dois problemas: o do Governo e o de Passos Coelho. Talvez seja por isso que um é primeiro-ministro e o outro já não. Porque a habilidade em política é muito importante.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC