sicnot

Perfil

Anselmo Crespo

A esquizofrenia da política

Anselmo Crespo

Anselmo Crespo

Editor de Política SIC

António Costa ambiciona estabilidade política. E das políticas. Passos Coelho queria o mesmo. Na verdade, todos os primeiros-ministros em Portugal professaram este discurso. E todos, sem exceção, falharam.

Em pouco mais de três meses António Costa mudou as regras do ensino a meio de um ano letivo. Rasgou um acordo para o IRC que o próprio PS tinha assinado. Reverteu o que pôde na justiça. E, agora, alterou as prioridades dos fundos comunitários. Passos Coelho não fez muito diferente. Deitou fora as novas oportunidades. Meteu o simplex na gaveta. Mexeu e remexeu no sistema de educação. E provocou um turbilhão na justiça que deixou marcas até hoje.

É a triste sina da política portuguesa. As reformas estruturais nunca são para levar a sério. Reformar o País tornou-se um slogan governamental. Fica bem em qualquer discurso, serve de arma de arremesso político para dizer que outros não fizeram o mesmo, mas não passa disto. Quem está no governo quer reformas e pede consensos. Quem está na oposição raramente está disponível para esses consensos mas está sempre de acordo que as reformas são necessárias. Parece esquizofrénico? É porque é mesmo.

O mais extraordinário é que, no que toca a reformas importantes para o país, PS e PSD, normalmente, estão de acordo. É preciso reformar a justiça? Sim. E a educação? Também. É preciso melhorar a qualificação dos portugueses? É importantíssimo. Aumentar a competitividade das nossas empresas? Fundamental. Melhor a coesão social? Extraordinariamente importante. Inovação? Urgente. É mais ou menos como os discursos da Miss Mundo. Acabar com a fome e com a guerra. Paz para o mundo. Quem consegue discordar disto? Ninguém. Como é que se faz isto? Essa é uma resposta mais difícil de dar.

As reformas importantes para Portugal estão todas identificadas. Falta encontrar a melhor forma de as implementar. Falta implementá-las. E depois falta levá-las a sério. Para isso os partidos políticos têm que crescer. Sair da puberdade e tornarem-se adultos. Têm que perceber que diversidade de opiniões não impede consensos. Que ser oposição não é ser do contra. Que ser governo não significa ter sempre razão. Que a democracia também é feita de compromissos. Que estão ao serviço do país e não de si próprios.

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28