sicnot

Perfil

Anselmo Crespo

A esquizofrenia da política

Anselmo Crespo

Anselmo Crespo

Editor de Política SIC

António Costa ambiciona estabilidade política. E das políticas. Passos Coelho queria o mesmo. Na verdade, todos os primeiros-ministros em Portugal professaram este discurso. E todos, sem exceção, falharam.

Em pouco mais de três meses António Costa mudou as regras do ensino a meio de um ano letivo. Rasgou um acordo para o IRC que o próprio PS tinha assinado. Reverteu o que pôde na justiça. E, agora, alterou as prioridades dos fundos comunitários. Passos Coelho não fez muito diferente. Deitou fora as novas oportunidades. Meteu o simplex na gaveta. Mexeu e remexeu no sistema de educação. E provocou um turbilhão na justiça que deixou marcas até hoje.

É a triste sina da política portuguesa. As reformas estruturais nunca são para levar a sério. Reformar o País tornou-se um slogan governamental. Fica bem em qualquer discurso, serve de arma de arremesso político para dizer que outros não fizeram o mesmo, mas não passa disto. Quem está no governo quer reformas e pede consensos. Quem está na oposição raramente está disponível para esses consensos mas está sempre de acordo que as reformas são necessárias. Parece esquizofrénico? É porque é mesmo.

O mais extraordinário é que, no que toca a reformas importantes para o país, PS e PSD, normalmente, estão de acordo. É preciso reformar a justiça? Sim. E a educação? Também. É preciso melhorar a qualificação dos portugueses? É importantíssimo. Aumentar a competitividade das nossas empresas? Fundamental. Melhor a coesão social? Extraordinariamente importante. Inovação? Urgente. É mais ou menos como os discursos da Miss Mundo. Acabar com a fome e com a guerra. Paz para o mundo. Quem consegue discordar disto? Ninguém. Como é que se faz isto? Essa é uma resposta mais difícil de dar.

As reformas importantes para Portugal estão todas identificadas. Falta encontrar a melhor forma de as implementar. Falta implementá-las. E depois falta levá-las a sério. Para isso os partidos políticos têm que crescer. Sair da puberdade e tornarem-se adultos. Têm que perceber que diversidade de opiniões não impede consensos. Que ser oposição não é ser do contra. Que ser governo não significa ter sempre razão. Que a democracia também é feita de compromissos. Que estão ao serviço do país e não de si próprios.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.