sicnot

Perfil

Anselmo Crespo

A austeridade demagógica

Anselmo Crespo

Anselmo Crespo

Editor de Política SIC

António Costa quer demarcar-se de Passos Coelho através da austeridade. Ou “eles” ou “nós”. Ou “eles” que defendem a austeridade para Portugal, que a implementaram e a continuam a defender ou “nós” que nos queremos ver livres dessa austeridade, que estamos a acabar com ela porque achamos que ela é desnecessária. Esta retórica política, que começou antes das eleições, continua, como se ainda estivéssemos em campanha eleitoral. E se calhar estamos.

Depois das garrafas de champanhe que António Costa abriu publicamente com a vitória do Siryza na Grécia, o agora primeiro-ministro foi a Atenas assinar uma carta contra a austeridade, com Alexis Tsipras. Ambos querem convencer a Europa a mudar de estratégia, mas ambos têm estratégias diferentes para o fazer. Tsipras não tem medo do confronto, apesar de esse confronto não o ter levado a lado algum. Costa fez questão de se demarcar dessa linha (e bem) e prefere a via do diálogo. Fosse esta questão tão simples e os problemas económicos da Europa já estariam resolvidos há muito.

A austeridade, lamentavelmente, não é apenas uma questão ideológica ou de escolha. Queremos ou não queremos. Acreditamos nela como solução ou temos caminho melhor? Colocar a questão nestes termos é, não só demagógico, como imprudente. Demagógico porque toda a gente sabe, da esquerda à direita, que quando o dinheiro acaba o que sobra é a austeridade. Tenha ela a forma que tiver. Imprudente porque a história recente está cheia de responsáveis políticos que, sendo contra a austeridade, acabaram a implementá-la, a defendê-la e a considerá-la necessária. Não é preciso recuar muito, basta pensar em José Sócrates. Nem ir muito longe, basta ir até Paris e pensar em François Hollande.

Mas a demagogia não está apenas nos que defendem a inutilidade da austeridade. Está também naqueles que, defendendo a sua utilidade, a exibem como um troféu, como se a austeridade em si mesma bastasse como política económica. A troika e o governo de Passos Coelho meteram na cabeça que o país tinha que morrer para ressuscitar. Que para chegar a um determinado fim, qualquer meio servia. E por isso cortou-se. Salários, pensões e subsídios. Aumentou-se. Impostos e tudo o mais que aparecesse à frente. Mataram-se empresas, atiraram-se milhares para o desemprego e outros tanto para fora do país. Tudo feito à pressa, sem noção dos impactos e, sobretudo, sem noção das pessoas.

A troika foi embora e o país ainda hoje anda a apanhar os cacos que ficaram espalhados. A dívida diminuiu? Não, aumentou. O sistema financeiro está mais sólido? A economia está melhor? Não, está no mesmo sítio onde estava antes da crise, ou seja, estagnada. Não, está mais frágil. Portugal já cumpre o défice? Não. É o que dá a cegueira e a demagogia de quem defende que a austeridade por si é a solução para todos os nossos problemas.

António Costa tem muita razão quando diz que o problema é político. Sem uma estratégia política não há modelo económico que resista, qualquer que ele seja. E se há coisa que tem falhado, em Portugal, mas sobretudo na Europa, é a estratégia e é a política.

  • "Claramente que há mandantes e que foi uma operação organizada"
    4:14

    Crise no Sporting

    Os 23 detidos por suspeitas de terem participado no ataque à Academia de Alcochete ficaram em prisão preventiva. Miguel Sousa Tavares considera que a decisão "é mais para ser exemplar". O comentador da SIC acredita que há mandantes e que esta foi uma "operação organizada". Sousa Tavares diz ainda que os "políticos não têm coragem para impor as leis" e que em Portugal "brinca-se com a lei".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Exército sírio declara Damasco "totalmente segura"

    Mundo

    O exército sírio proclamou esta segunda-feira a capital Damasco e também os arredores, como locais "totalmente seguros". O anúncio foi feito em clima de festa, depois de os militares terem reconquistado os bairros do sul da cidade, até agora nas mãos do Daesh.

  • Jovem britânico em fuga é detido depois de responder à polícia no Facebook

    Mundo

    Através do Facebook, a polícia de West Yorkshire mostrou-se preocupada perante o desaparecimento de um jovem de 21 anos e pediu por informações que pudessem leva-los a descobrir Leon Smith. Contudo, o que não deveriam estar à espera, era que o próprio desaparecido respondesse na rede social e que desafiasse a polícia a "fazer o seu trabalho". As autoridades acabaram por localizar o jovem no mesmo dia.

    SIC