sicnot

Perfil

Anselmo Crespo

A austeridade demagógica

Anselmo Crespo

Anselmo Crespo

Editor de Política SIC

António Costa quer demarcar-se de Passos Coelho através da austeridade. Ou “eles” ou “nós”. Ou “eles” que defendem a austeridade para Portugal, que a implementaram e a continuam a defender ou “nós” que nos queremos ver livres dessa austeridade, que estamos a acabar com ela porque achamos que ela é desnecessária. Esta retórica política, que começou antes das eleições, continua, como se ainda estivéssemos em campanha eleitoral. E se calhar estamos.

Depois das garrafas de champanhe que António Costa abriu publicamente com a vitória do Siryza na Grécia, o agora primeiro-ministro foi a Atenas assinar uma carta contra a austeridade, com Alexis Tsipras. Ambos querem convencer a Europa a mudar de estratégia, mas ambos têm estratégias diferentes para o fazer. Tsipras não tem medo do confronto, apesar de esse confronto não o ter levado a lado algum. Costa fez questão de se demarcar dessa linha (e bem) e prefere a via do diálogo. Fosse esta questão tão simples e os problemas económicos da Europa já estariam resolvidos há muito.

A austeridade, lamentavelmente, não é apenas uma questão ideológica ou de escolha. Queremos ou não queremos. Acreditamos nela como solução ou temos caminho melhor? Colocar a questão nestes termos é, não só demagógico, como imprudente. Demagógico porque toda a gente sabe, da esquerda à direita, que quando o dinheiro acaba o que sobra é a austeridade. Tenha ela a forma que tiver. Imprudente porque a história recente está cheia de responsáveis políticos que, sendo contra a austeridade, acabaram a implementá-la, a defendê-la e a considerá-la necessária. Não é preciso recuar muito, basta pensar em José Sócrates. Nem ir muito longe, basta ir até Paris e pensar em François Hollande.

Mas a demagogia não está apenas nos que defendem a inutilidade da austeridade. Está também naqueles que, defendendo a sua utilidade, a exibem como um troféu, como se a austeridade em si mesma bastasse como política económica. A troika e o governo de Passos Coelho meteram na cabeça que o país tinha que morrer para ressuscitar. Que para chegar a um determinado fim, qualquer meio servia. E por isso cortou-se. Salários, pensões e subsídios. Aumentou-se. Impostos e tudo o mais que aparecesse à frente. Mataram-se empresas, atiraram-se milhares para o desemprego e outros tanto para fora do país. Tudo feito à pressa, sem noção dos impactos e, sobretudo, sem noção das pessoas.

A troika foi embora e o país ainda hoje anda a apanhar os cacos que ficaram espalhados. A dívida diminuiu? Não, aumentou. O sistema financeiro está mais sólido? A economia está melhor? Não, está no mesmo sítio onde estava antes da crise, ou seja, estagnada. Não, está mais frágil. Portugal já cumpre o défice? Não. É o que dá a cegueira e a demagogia de quem defende que a austeridade por si é a solução para todos os nossos problemas.

António Costa tem muita razão quando diz que o problema é político. Sem uma estratégia política não há modelo económico que resista, qualquer que ele seja. E se há coisa que tem falhado, em Portugal, mas sobretudo na Europa, é a estratégia e é a política.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.