sicnot

Perfil

António José Teixeira

Tempos azedos numa Europa impotente

Os tempos vão azedos. Muita campanha política descolada da realidade. Muita irracionalidade e teimosia em terreno cruel. Muita suspeição sem fim à vista. Inconsequência permanente. Dias que passam em desamparo. Podia até ser grito de libertação da sociedade civil (onde já vai a expressão...), mas a teia burocrática e a desconfiança no cidadão não o permitem. Portugal está apertado por espartilhos vários, estagnado por pactos orçamentais e dívidas avassaladoras.

Esta semana, no meio do burburinho, várias vozes chamaram a atenção para a estagnação a que nos estamos perigosamente a render. A Europa vive uma ameaça deflacionista e não se vêem sinais que a contrariem ou combatem. Há um designado plano Juncker, cujos detalhes ainda não são suficientemente conhecidos e que tem merecido muitas reservas. Um plano com um nome desacreditado logo na primeira semana de presidência da Comissão Europeia pelo escândalo LuxLeaks, um claro exemplo de como se destrói a economia europeia com predação fiscal.

A Europa está velha e não tem remédio demográfico fácil nem sabe lidar com a imigração. Não resolveu o problema das dívidas soberanas. Perdeu competitividade na globalização. Não aposta suficientemente na inovação. Investe pouco, cria pouco emprego e mantém um desemprego elevado. Como se isto não bastasse, tudo se conjuga com desigualdades cada vez mais pronunciadas e com um declínio da mobilidade social. Pior, perdeu alma, convicção, projecto.

Jorge Sampaio disse ontem na Gulbenkian que «não estamos a conseguir garantir igualdade de oportunidades às gerações mais jovens nem sequer a mostrar-lhes que o sucesso não depende de alguém ter nascido rico ou em privilégio, mas sim do seu próprio mérito». A desigualdade dos mais jovens, como a pobreza infantil, não são chagas apenas do presente, terão reflexos cruéis no futuro. Comprometer o futuro é o que estamos a fazer com aquilo que Sampaio descreve como a «aplicação severa e drástica de medidas de austeridade centradas no curto prazo e unicamente movidas pelo intuito da redução de défices». 

Há uma ideia muito contabilística e estática da economia, uma ideia acanhada de que a economia só pode gastar o que tem. Ignora-se, como disse ontem José Pacheco Pereira numa conferência da SIC Notícias, que a economia é, antes de tudo, sociedade, pessoas. Uma sociedade sem dinâmica, sem elevador social, não funciona. O mesmo é dizer que uma economia sem dinâmica social paralisa, estagna. Para a Europa crescer não pode apenas ficar à espera que aconteça, terá de fazer por isso. Juncker bem falava em flexibilizar o cumprimento das obrigações de estabilidade, em políticas expansionistas, investimento público e privado. Há poucos dias, Bruxelas chamou a atenção de sete países, entre os quais Portugal, para a necessidade de cumprirem os objectivos traçados para o défice de 2015. 

As contracções orçamentais não são boas notícias para o abanão que falta. Na mesma conferência, Pedro Passos Coelho recordou – e bem – os erros de investimento público dos últimos 20 anos, nomeadamente «as parcerias público-privadas sem racionalidade no objecto e na negociação, a criação de privilégios para uns poucos e encargos para os outros todos». Os erros do passado não devem paralisar-nos. Mas é isso que está acontecer. Álvaro Santos Pereira acaba de editar um livro em que conta algumas memórias da sua passagem pelo Governo. Sobre a crise não tem dúvidas: «Teremos de continuar a investir na educação, na inovação e na formação profissional virada para o contexto do trabalho. Ao mesmo tempo, e para reanimarmos a economia e atrairmos mais investimento, é fundamental baixarmos os impostos e cortarmos a burocracia do Estado central e local.» 

O ex-ministro de Passos Coelho reafirma que a crise da dívida europeia só será resolvida com um reescalonamento a longo prazo da dívida dos países mais endividados. Algo que exige uma solução europeia, mas que dificilmente terá luz verde alemã. É este o estado político da Europa. Sem horizonte e ambição, velha, instalada, impotente, subjugada. Cedeu a nacionalismos e populismos, enfraqueceu a democracia. Uma Europa à espera… de milagre. Ou de nova tempestade. Por cá, discutimos justiça, prisões e prisioneiros, fazemos inquéritos a banqueiros e seus cúmplices, muito palavreado inconsequente ao mesmo tempo que uns quantos gastam o verbo numa campanha eleitoral interminável… Tudo demasiado mau para ser verdade.

 

 

 


  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.