sicnot

Perfil

António José Teixeira

Do Metro de Lisboa à grande balbúrdia fiscal

Uma das minhas embirrações dos últimos anos é a greve continuada e repetida dos trabalhadores do Metro de Lisboa. Tornada uma inevitabilidade, talvez fosse melhor prever, logo no início do ano, quais os dias em que o Metro se ausenta. Desde 2011 parou mais de 40 vezes. Só em 2013 foram 12. Este ano, já vamos em quatro. A de amanhã foi adiada para o dia 17. Não se pense que sou contra o direito à greve. Além de um direito constitucional, é uma conquista de civilização. Um direito social e um direito político. Pode discutir-se se a greve do Metro é mais laboral ou mais frente de combate político à privatização da empresa. Pode, mas nem por isso se deslegitimará o direito à greve. 

Esclarecido este ponto, regresso à embirração, ou melhor, à crítica ao comportamento dos trabalhadores, mesmo que legítimo. Objectivamente, estas dezenas de greves prejudicam demasiado os outros trabalhadores , utentes do Metro, e beneficiam a empresa e o Governo. Mesmo correndo o risco do argumento parecer reaccionário, passo a explicar. O Metro de Lisboa é vital para as deslocações de muitos milhares de pessoas. A generalidade destas paralisações implica o encerramento total da rede, o que gera um transtorno grave para muitos cidadãos. Serão os danos colaterais da maioria das greves. O problema aqui é que não são danos colaterais. São danos directos. A greve não visa a administração da empresa ou o Governo. A greve visa os utentes. A empresa não sofre. Poupa dinheiro nas retribuições descontadas aos grevistas, poupa energia, evita despesas várias. E nem a receita é muito afectada, pois o dinheiro dos passes está garantido. Nada se devolve aos utentes. Mesmo que pague alguns autocarros suplementares da Carris, a equação é decerto positiva. A greve acaba até por dar jeito ao Governo. A degradação da imagem da empresa pública favorece o entendimento popular da alegada necessidade de privatização. 

Os problemas dos trabalhadores do Metro são a perda de regalias e o anúncio da concessão a privados. Mas o grande problema dos últimos anos é a degradação do serviço prestado. O Metro já foi exemplar. Deixou de o ser. Todos os dias, sem exagero, há perturbações nas linhas, há muito menos carruagens ao serviço (em regra metade das de um passado recente), menos frequência das composições, dúvidas sobre as garantias de segurança... A degradação não é culpa dos trabalhadores do Metro, mas nem por isso se livram de descentrarem as atenções do mais importante. Não se livram de se absterem da denúncia do mau serviço prestado aos destinatários. E de se preocuparem apenas com regalias e tomadas de posição políticas. 

Os sindicatos não perceberam ainda o isolamento em que se colocaram e o risco que correm de, perversamente, tornarem mais aceitável a privatização da empresa. Um tema que nem sequer conseguem discutir de forma clara. E merecia, merece, ser discutido. Limitam-se a enunciar chavões e a ajudar a denegrir a imagem dos seus associados. As greves dos trabalhadores do Metro dificilmente poderiam ser mais disparatadas.


Caminhos dissolutos

Quanto mais se dissipa o nevoeiro que envolve a máquina fiscal mais cresce o silêncio sobre a absoluta devassidão em que mergulhou a Autoridade Tributária. É difícil compreender a dimensão a que chegou a rede de acesso a dados pessoais, as centenas de passwords à solta... E, no entanto, depois do relatório da Comissão Nacional de Protecção de Dados Pessoais e das explicações dadas à Assembleia da República, nem um tremor de preocupação parece perpassar pelos grandes dignatários da Nação. É extraordinário que nenhuma consequência tenha sido ainda retirada. Hoje a revista Visão conta-nos mais alguns pormenores. 

O outro lado da máquina devoradora dos rendimentos dos portugueses é um negócio muito lucrativo para o outsourcing de algumas empresas privadas. Três delas conseguiram nesta legislatura 170 contratos (poderão ser mais), por ajuste directo, no valor de cerca de 15 milhões de euros. São quase quatro contratos por mês em menos de quatro anos. E quando se começam a averiguar proximidades políticas e pessoais o cheiro não é bom. Só falta mesmo que se confirme a suspeita de que nos gabinetes do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e da ministra das Finanças também se tem acesso directo aos dados de qualquer contribuinte... 

Ninguém está imune, dados sensíveis do sistema judicial, da saúde, da segurança social, das polícias, andam por aí a alimentar crimes e negócios. Um dia ficará tudo numa grande nuvem gerida em outsourcing. O futuro tão etéreo como dissoluto...

 

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.