sicnot

Perfil

António José Teixeira

Sob o cisma de Jesus

Quais linhas de orientação geral para a elaboração de programas eleitorais! Quais cartas de garantias! Quais convenções de confiança! Quais marchas nacionais! Portugal está agora sob o cisma de Jesus. Jesus, o treinador, bem entendido.

Já andávamos vergados às grandes celebrações sulistas de bicampeonatos e taças de Portugal. Já muitos portugueses, aqui e além-mar, tinham levantado toda a espécie de troféus. Da Inglaterra à Rússia, do México à Grécia, a lei do ludopédio luso ganhou uma força nunca vista. Ronaldo, o melhor jogador do mundo, falhou os títulos, mas não deixou fugir o Pichichi... O futebol é o reduto de resistência a todas as crises, o grande palco da vida, do jogo da vida, o maior espectáculo do mundo. 

Aí se expiam desaires e frustrações, aí se empolgam vontades. Arte, ilusão, magia, choro, raiva, traição, combate, circo, tudo se ganha e se perde na fogueira das paixões. Não são apenas paixões. São negócios de muitas artes e engenhos. Audácias demasiadas vezes criminosas. Digam o que disserem, andamos rendidos à maldição da bola. Até o FBI se abateu sobre as mafias do futebol. E nem o imperador Blatter resistiu.

É público e notório que, nos últimos dias, a grande dúvida do falatório público não era sobre quem poderá ganhar as eleições que Cavaco Silva ainda nem sequer marcou. Ou sobre quem o quer substituir em Belém. O grande cisma é o que iria fazer Jesus? Fica no Benfica? Vai para o estrangeiro? Ir para o FC Porto parecia fora de causa. Para o Sporting seria absurdo. Mas, como dizem os grandes filósofos do futebol, o que é mentira hoje é verdade amanhã. E assim é. Jesus, o sportinguista que levou tantas vezes o Benfica à vitória, vai agora fazer milagres para Alvalade. 

Jesus, o dissidente, cismou em multiplicar milhões e deixou muitos admiradores de cara à banda. Dizem que os profetas dificilmente fazem milagres na sua terra. Aliás, o biblico Jesus terá dito que nenhum profeta é bem recebido na sua própria terra. Mas o nosso Jesus é outro. Descansem os sportinguistas. Também porque não é o amor que move as montanhas do futebol. São os milhões, sabe-se lá de onde, que fazem entrar e sair os feiticeiros do futebol.

De resto, o folhetim é a não perder. Muitas figuras e figurões, bancos, novos e velhos, bons e maus, acionistas de referência duvidosa, agentes com pouca magestade, heróis e vilões, homens mal falantes, empertigados, gratos e ingratos, esqueletos em muitos armários, e muitas contas a ajustar. Não há moral nesta história. É pura arte do jogo e do negócio. A lei de Jesus.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.