sicnot

Perfil

António José Teixeira

Sob o cisma de Jesus

Quais linhas de orientação geral para a elaboração de programas eleitorais! Quais cartas de garantias! Quais convenções de confiança! Quais marchas nacionais! Portugal está agora sob o cisma de Jesus. Jesus, o treinador, bem entendido.

Já andávamos vergados às grandes celebrações sulistas de bicampeonatos e taças de Portugal. Já muitos portugueses, aqui e além-mar, tinham levantado toda a espécie de troféus. Da Inglaterra à Rússia, do México à Grécia, a lei do ludopédio luso ganhou uma força nunca vista. Ronaldo, o melhor jogador do mundo, falhou os títulos, mas não deixou fugir o Pichichi... O futebol é o reduto de resistência a todas as crises, o grande palco da vida, do jogo da vida, o maior espectáculo do mundo. 

Aí se expiam desaires e frustrações, aí se empolgam vontades. Arte, ilusão, magia, choro, raiva, traição, combate, circo, tudo se ganha e se perde na fogueira das paixões. Não são apenas paixões. São negócios de muitas artes e engenhos. Audácias demasiadas vezes criminosas. Digam o que disserem, andamos rendidos à maldição da bola. Até o FBI se abateu sobre as mafias do futebol. E nem o imperador Blatter resistiu.

É público e notório que, nos últimos dias, a grande dúvida do falatório público não era sobre quem poderá ganhar as eleições que Cavaco Silva ainda nem sequer marcou. Ou sobre quem o quer substituir em Belém. O grande cisma é o que iria fazer Jesus? Fica no Benfica? Vai para o estrangeiro? Ir para o FC Porto parecia fora de causa. Para o Sporting seria absurdo. Mas, como dizem os grandes filósofos do futebol, o que é mentira hoje é verdade amanhã. E assim é. Jesus, o sportinguista que levou tantas vezes o Benfica à vitória, vai agora fazer milagres para Alvalade. 

Jesus, o dissidente, cismou em multiplicar milhões e deixou muitos admiradores de cara à banda. Dizem que os profetas dificilmente fazem milagres na sua terra. Aliás, o biblico Jesus terá dito que nenhum profeta é bem recebido na sua própria terra. Mas o nosso Jesus é outro. Descansem os sportinguistas. Também porque não é o amor que move as montanhas do futebol. São os milhões, sabe-se lá de onde, que fazem entrar e sair os feiticeiros do futebol.

De resto, o folhetim é a não perder. Muitas figuras e figurões, bancos, novos e velhos, bons e maus, acionistas de referência duvidosa, agentes com pouca magestade, heróis e vilões, homens mal falantes, empertigados, gratos e ingratos, esqueletos em muitos armários, e muitas contas a ajustar. Não há moral nesta história. É pura arte do jogo e do negócio. A lei de Jesus.

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.