sicnot

Perfil

António José Teixeira

Primeiro o referendo, depois o ajuste de contas

No meio de tanta incerteza, há uma previsão em que receio acertar. Seja qual for o resultado do referendo de domingo, admitindo que se realiza, a Grécia vai ser ainda mais penalizada do que já foi, o governo Syriza tem os dias contados e a Europa ficará mais fraca. As veleidades dos rebeldes terão o ajuste de contas devido. Tsipras e Varoufakis tinham, há muito, o destino traçado pelos credores, muitos também chamados de parceiros. Venceram eleições em nome da rejeição da receita da troika, agora chamada de instituições. Pois bem, ou se obrigavam a renegar-se por inteiro ou, mais tarde ou mais cedo, ficariam isolados e sairiam pela porta pequena. Dito de outro modo, ou cumprem as regras ou não há dinheiro.

Esta tragédia grega, consumada pelos antecessores do Syriza nas últimas décadas com o respeito e a cumplicidade dos seus parceiros, nomeadamente os do Eurogrupo, está para durar. Independentemente de todas as críticas que o actual governo grego mereça – e merece muitas -, há uma realidade credora de respeito e ilações adequadas. A Grécia é, há muito, um país desorganizado, tomado por interesses vários, um Estado frágil que, nos últimos anos, foi devastado por um programa de ajustamento que destruiu a economia, fez disparar a dívida para números insustentáveis e produziu uma crise social gravíssima. Os resultados em nada comoveram os credores e parceiros europeus. O que «ofereceram» e «oferecerão» à Grécia é o prolongamento da mesma receita. Pouco importa se a inteligência nos diz que é preciso deixar respirar o homem que tem muito para nos pagar...

Desde que chegou ao poder, o governo de Tsipras tentou sempre convencer os parceiros a mudar de política. Não o conseguiu. Se outros beberam o sangue do ajustamento, também eles teriam de o beber. Ainda assim, gradualmente, tentaram aculturar-se à linha dominante. Na semana passada, antes do bloqueio e do anúncio do referendo, os gregos aceitavam cortes na ordem dos 8 mil milhões e medidas que dificilmente passariam no Parlamento de Atenas. Não era suficiente. Desesperados, surpreenderam tudo e todos com o referendo. Curiosamente, o ministro 

alemão Schauble tinha sugerido ao governo grego, no início de Maio, um referendo perante o impasse que já então se sentia nas negociações com os credores...

O referendo grego tem uma intenção politica louvável, mas é destituido de qualquer rigor. Louvável porque perante o impasse negocial e um conjunto de medidas que renegavam quase tudo o que Syriza defendia se devolveria a palavra ao soberano. Sem rigor porque surge fora de prazo e pergunta por algo que já não está em cima da mesa. Um dos gestos reveladores dos credores/parceiros foi retirar de imediato a sua proposta. O sim ou não dos gregos será a algo inexistente. Claro que sempre se poderá dizer que o sim ou o não terão como destinatários o próprio governo e os credores, o euro ou a saída do euro, a Europa ou o isolamento. Mas não é isso que se pergunta. O referendo fazia sentido há um mês, como propunha Schauble, agora não. A Grécia violou prazos, compromissos, e pôs em perigo o financiamento do país.

Em qualquer caso, temo que a tentação de humilhar a Grécia esteja na cabeça dos contabilistas, donos e senhores do nosso destino. Temo que a revolta grega se transforme em submissão. Nem uma nem outra bons sinais para a barca encalhada europeia. A desgraça grega é a nossa desgraça, por maiores que sejam os cofres da imunidade. A indecisão europeia sobre o seu rumo tem no euro a imagem de uma Europa ao contrário. Sem cimento político construiu uma moeda coxa. O melhor exemplo está bem espelhado na mulher que já nos habituámos a ver sentada nas instituições europeias, como se fosse óbvia a sua presença. Christine Lagarde, a directora-geral do FMI, é a contabilista-mor da Europa. A Grécia bem quis fugir da troika, mas caiu nas malhas dos credores. Também por culpa própria. Também por desespero. Segunda-feira começaremos a perceber a dimensão da agonia.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.