sicnot

Perfil

António José Teixeira

Primeiro o referendo, depois o ajuste de contas

No meio de tanta incerteza, há uma previsão em que receio acertar. Seja qual for o resultado do referendo de domingo, admitindo que se realiza, a Grécia vai ser ainda mais penalizada do que já foi, o governo Syriza tem os dias contados e a Europa ficará mais fraca. As veleidades dos rebeldes terão o ajuste de contas devido. Tsipras e Varoufakis tinham, há muito, o destino traçado pelos credores, muitos também chamados de parceiros. Venceram eleições em nome da rejeição da receita da troika, agora chamada de instituições. Pois bem, ou se obrigavam a renegar-se por inteiro ou, mais tarde ou mais cedo, ficariam isolados e sairiam pela porta pequena. Dito de outro modo, ou cumprem as regras ou não há dinheiro.

Esta tragédia grega, consumada pelos antecessores do Syriza nas últimas décadas com o respeito e a cumplicidade dos seus parceiros, nomeadamente os do Eurogrupo, está para durar. Independentemente de todas as críticas que o actual governo grego mereça – e merece muitas -, há uma realidade credora de respeito e ilações adequadas. A Grécia é, há muito, um país desorganizado, tomado por interesses vários, um Estado frágil que, nos últimos anos, foi devastado por um programa de ajustamento que destruiu a economia, fez disparar a dívida para números insustentáveis e produziu uma crise social gravíssima. Os resultados em nada comoveram os credores e parceiros europeus. O que «ofereceram» e «oferecerão» à Grécia é o prolongamento da mesma receita. Pouco importa se a inteligência nos diz que é preciso deixar respirar o homem que tem muito para nos pagar...

Desde que chegou ao poder, o governo de Tsipras tentou sempre convencer os parceiros a mudar de política. Não o conseguiu. Se outros beberam o sangue do ajustamento, também eles teriam de o beber. Ainda assim, gradualmente, tentaram aculturar-se à linha dominante. Na semana passada, antes do bloqueio e do anúncio do referendo, os gregos aceitavam cortes na ordem dos 8 mil milhões e medidas que dificilmente passariam no Parlamento de Atenas. Não era suficiente. Desesperados, surpreenderam tudo e todos com o referendo. Curiosamente, o ministro 

alemão Schauble tinha sugerido ao governo grego, no início de Maio, um referendo perante o impasse que já então se sentia nas negociações com os credores...

O referendo grego tem uma intenção politica louvável, mas é destituido de qualquer rigor. Louvável porque perante o impasse negocial e um conjunto de medidas que renegavam quase tudo o que Syriza defendia se devolveria a palavra ao soberano. Sem rigor porque surge fora de prazo e pergunta por algo que já não está em cima da mesa. Um dos gestos reveladores dos credores/parceiros foi retirar de imediato a sua proposta. O sim ou não dos gregos será a algo inexistente. Claro que sempre se poderá dizer que o sim ou o não terão como destinatários o próprio governo e os credores, o euro ou a saída do euro, a Europa ou o isolamento. Mas não é isso que se pergunta. O referendo fazia sentido há um mês, como propunha Schauble, agora não. A Grécia violou prazos, compromissos, e pôs em perigo o financiamento do país.

Em qualquer caso, temo que a tentação de humilhar a Grécia esteja na cabeça dos contabilistas, donos e senhores do nosso destino. Temo que a revolta grega se transforme em submissão. Nem uma nem outra bons sinais para a barca encalhada europeia. A desgraça grega é a nossa desgraça, por maiores que sejam os cofres da imunidade. A indecisão europeia sobre o seu rumo tem no euro a imagem de uma Europa ao contrário. Sem cimento político construiu uma moeda coxa. O melhor exemplo está bem espelhado na mulher que já nos habituámos a ver sentada nas instituições europeias, como se fosse óbvia a sua presença. Christine Lagarde, a directora-geral do FMI, é a contabilista-mor da Europa. A Grécia bem quis fugir da troika, mas caiu nas malhas dos credores. Também por culpa própria. Também por desespero. Segunda-feira começaremos a perceber a dimensão da agonia.

  • Debate quinzenal no Parlamento: veja em direto e comente

    País

    As políticas de descentralização foram o tema escolhido pelo Governo para o debate quinzenal, mas a situação na Caixa Geral de Depósitos também deve marcar os trabalhos na Assembleia da República. Acompanhe aqui a discussão e participe no Minuto a Minuto SIC/Parlamento Global.

    Direto

  • Cerca de 100 mortos e dezenas de desaparecidos após sismo na Indonésia
    1:24
  • Centro Hospitalar do Algarve deverá ser extinto em 2017
    2:10

    País

    O Centro Hospitalar do Algarve deverá ser extinto no próximo ano e depois da separação dos hospitais de Faro, Portimão e Lagos. Faro deverá passar a hospital universitário. A proposta da Administração Regional de Saúde deverá ser confirmada dentro de dias pelo ministro da Saúde.

  • As camisolas de Natal da família real britânica

    Mundo

    O espírito natalício invadiu ontem o Museu Madame Tussauds, em Londres. Foram reveladas as novas figuras de cera da família real britânica - cada membro enverga uma camisola de espírito festivo, com cãezinhos "reais" e "gingerbreadmen" de gosto duvidoso.